• Domingo, 11 Julho 2010 / 4:42

Os vices de Serra

José Serra deu para beber durante a campanha.
Só isso explica a declaração que deu para Ancelmo Góis.
“Antes de se fixar em Índio da Costa para vice na sua chapa, José Serra tentou outros nomes.
Primeiro quis emplacar Drauzio Varella. O médico chegou a se filiar ao DEM.
Depois, Serra cogitou o nome do deputado ACM Neto.
Ficou surpreso ao saber que ele é tão jovenzinho (31 anos) que não tem idade suficiente (35 anos) para se candidatar a presidente ou vice.
Mas agora Serra está tão feliz com o seu vice que anda repetindo por aí:
- O Índio tem mais condições de assumir a Presidência do que a Dilma. Ela não consegue falar sem teleprompter”.

  • Segunda-feira, 05 Julho 2010 / 4:37

Índio condena esmola e pré-sal

Os repórteres Filipe Coutinho e Bernardo Mello Franco, da ‘Folha’, publicam hoje uma curiosa pesquisa sobre a trajetória parlamentar do vice de Serra, o Índio do Demo. É de assustar:
“Desconhecido até outro dia pelo presidenciável José Serra (PSDB), o vice Indio da Costa (DEM) já usou a tribuna da Câmara para discorrer contra o pré-sal e a favor da proibição de coxinhas e pirulitos em cantinas escolares.
Deputado de primeiro mandato, ele também atacou o envio de ajuda humanitária ao Haiti, antes do terremoto que devastou o país.
Indio começou a defender ideias polêmicas em seu primeiro mandato de vereador do Rio, onde foi fiel escudeiro do então prefeito Cesar Maia.
Em 1997, apresentou projeto de lei para punir os cariocas que dão esmola a pedintes. “Fica proibido esmolar no município, para qualquer fim ou objeto”, sentenciava o texto. “Quem doar esmola pagará multa a ser definida.”
A proposta chegava a chamar a mendicância de “vício”. Foi considerada inconstitucional e acabou numa gaveta da Câmara Municipal.
Ele também tentou proibir o comércio ambulante das ruas, o que varreria da paisagem carioca as figuras tradicionais dos vendedores de mate e biscoito de polvilho.
Num dos 130 discursos como deputado, Indio defendeu um plebiscito sobre a pena de morte, tema evitado por políticos experientes.
Afinado com o oposicionismo combativo do DEM, disse (antes da tragédia) que o governo parecia “beber cachaça” ao financiar tropas no Haiti enquanto o Brasil vivia uma “guerra civil”.
O deputado é fiel às orientações do partido, o que demonstra que a relatoria do projeto Ficha Limpa não foi o único trunfo para a escolha.
Na votação do pré-sal, ignorou a pressão da base fluminense e repetiu o discurso ambientalista adotado pela sigla. Já fez duras críticas a Roberto Jefferson, presidente do PTB e homem forte da chapa de Serra”.

  • Sexta-feira, 02 Julho 2010 / 4:36

Serra sugere amante para Índio

Do presidenciável José Serra:
- Ontem foi apresentado nosso Indio para a Vice-Presidência. Um homem jovem, preparado (…) Tem uma namorada e me disse, por telefone: “Não tenho amantes”. Eu até disse: “também não precisa exagerar. O que tem que ser é uma coisa discreta”. Não estou aqui pregando pular cerca no casamento, mas também não precisa exagerar.

  • Sexta-feira, 02 Julho 2010 / 4:36

Quem viver… verá

Já já vão descobrir que Índio da Costa gosta de mentir.
Deixa a Copa passar que isso ficará bem claro.
Aí será um Deus nos acuda.

  • Quinta-feira, 01 Julho 2010 / 4:34

Índio da Costa, fraco abusado

Indio da Costa se apresenta, no Twitter, como deputado federal pelo DEM/RJ  “em meu quatro mandato parlamentar”. Na verdade, esse é o seu primeiro mandato como deputado federal. Os outros três foram como vereador na Câmara do Rio.
Mas o fato é que o deputado nunca foi tarado pelo Twitter.
Ele o usava para, por exemplo, reclamar da gestão Eduardo Paes, noticiar o processo contra Garotinho no TRE, cuidar da proibição de sacolas plásticas em mercados e torcer pelo Brasil na Copa.
                 * * * 
Hoje, pouco depois das 7h30m, ele deu “bom dia” aos seus 36.747 seguidores, e começou a botar as manguinhas de fora:
1. Agradeceu o apoio que recebeu a sua candidatura a vice.
2. Disse que Lula tentou barrar o Ficha Limpa.
3. Reclamou que Dilma fugiu do debate com Serra na CNA. “Se ela preferir debater comigo, estou a disposição”.
4. E finalmente: “Tem petista que diz que sou inexperiente. Tenho mais experiência que a Dilma. Muito mais!”.
                  * * *
Índio da Costa é como o Brasil de Serra. Ele pode mais.
Pode ser muito mais atrevido do que aparenta ser. Fraco e abusado é pouco, muito pouco para defini-lo.

  • Quinta-feira, 01 Julho 2010 / 4:34

Autofagia Cibernética

Do jornalista Josias de Souza, da sucursal da ‘Folha’ em Brasília:
“O político profissional não tem medo do escuro. Receia mesmo é a claridade. José Serra subverteu a ordem.
Envolto em atmosfera de volúpia e traição, o presidenciável tucano converteu a escolha de seu vice num striptease autofágico.
Atônita, a plateia descobriu no imenso telhado de vidro da coligação pró-Serra um inusitado posto de observação.
Até a semana passada, a situação era a seguinte: metade do DEM estava nervosa porque Serra dizia que não tinha um vice e o aliado achava que ele estava mentindo.
A outra metade do DEM estava nervosa porque Serra dizia que não tinha escolhido o vice e imaginava-se que ele não tinha mesmo um nome.
E Serra estava nervoso porque não sabia se dizia que tinha o vice que ainda não escolhera ou se escolhia o vice e não dizia. E vice-versa.
Súbito, o nome do tucano Álvaro Dias veio à luz do modo mais inusitado: uma nota no microblog do presidente do PTB, o deputado cassado Roberto Jefferson (RJ).
Súbito, o DEM, aliado de todas as horas, tornou-se, por assim dizer, um corno cibernético. Reagiu à impudência com alarde.
Com a alcova sob holofotes, Serra portou-se com inocência inaudita. Imaginou que o DEM aceitaria o papel de mulher traída que evita um rompimento em nome da integridade da família.
Esqueceu-se de que lidava com uma sigla que assumiu o poder logo após as caravelas de Pedro Álvares Cabral aportarem em Porto Seguro.
Lançado à oposição por Lula, o DEM (ex-Arena, ex-Frente Liberal e ex-PFL) perdeu prestígio e votos. Mas manteve relativa unidade.
Comparado ao PSDB, uma agremiação de amigos integralmente composta de inimigos, o DEM é um partido razoavelmente coerente.
Suas posições costumam ser conhecidas antes que os filiados levantem o braço numa convenção como a que se realizou ontem, em Brasília.
O DEM avisara há dois meses: sem Aécio Neves, o vice de Serra deveria ser preferencialmente de seus quadros.
Dono de estilo “indiocentrista”, Serra imaginou-se capaz de trafegar pela selva de sua coligação com distanciamento de antropólogo.
No Big Brother do tucanato, os morubixabas do DEM levaram Serra não ao paredão, mas ao caldeirão. Obrigaram-no a regurgitar Álvaro Dias e atravessaram-lhe Indio da Costa na traqueia.
De erro em erro, Serra virou uma espécie de bispo Sardinha da era da internet. Em autofagia pública, foi mastigado pelos caetés do DEM à luz do twitter”.

  • Quinta-feira, 01 Julho 2010 / 4:34

Índio: “Não tenho idéia de nada”

Do deputado Índio da Costa (DEM-RJ), vice de José Serra:
“O que vou fazer é entender quais são os problemas e de que maneira eu posso contribuir. Mas é muito cedo para tudo (…) não tenho a menor ideia de nada”.
                   * * * 
Do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), ex-vice de Serra:
“Eu não posso falar dele (Índio da Costa) porque só o conheço de vê-lo no Congresso. Eu não o conheço. Não conheço a trajetória dele. Se foi escolhido é porque deve ter qualidades”.
                    * * *
Do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o vice de Serra: “Não sei quem é. Quem é?”
Ao ser informado que seu nome era Índio da Costa, Lula indagou:
“De onde ele é?”.
                    * * *
Da vereadora Andrea Gouvêa Vieira (PSDB), relatora da CPI da Merenda Escolar na Câmara do Rio:
“Se eu já tinha dificuldade com a candidatura do Cesar Maia, a situação agora ficou esdrúxula. Como o ex-prefeito é candidato ao Senado, não preciso pedir voto ou mesmo votar nele. Mas com o Índio como vice de Serra, é diferente. Não dá para separar o voto. Prefiro, então, pedir licença e viajar”.

  • Quinta-feira, 01 Julho 2010 / 4:34

Índio da Costa, o perdulário – 3

O Congresso decidiu que a cota de passagens deve ser  exclusiva do parlamentar. Por isso, nem mesmo mulher e filhos podem viajar com o dinheiro da Câmara.
A cota do deputado Índio da Costa parece não ser suficiente para ele.
Desde meados do ano passado, ele vem gastando parte da verba de representação com a compra de bilhetes aéreos, não só para ele como para outros passageiros.
Como aparecem sete nomes diferentes, será difícil o deputado explicar que são todos seus assessores.
Na verdade, ele não tem o direito de pagar para nenhum dele. Mas, com o dinheiro público, ele pagou as seguintes passagens:
1. Flavio Gouvêa – 14 bilhetes
2. Antonio Costa – 5 bilhetes
3. Cyro Beltrão – 2 bilhetes
4. Antonio Silva – 2 bilhetes
5. Marcelo Monfort – 1 bilhete
6. Andrea Silva – 1 bilhete
7. Raison Oliveira – 1 bilhete

  • Quinta-feira, 01 Julho 2010 / 4:34

Índio da Costa, o perdulário – 2

Quando Índio da Costa, o vice de Serra, chegou na Câmara, em janeiro de 2007, ele não gastou um único tostão da cota para exercício da atividade parlamentar.
No mês seguinte, fevereiro, aprendeu o caminho das pedras e começou a gastar com “consultorias, pesquisas e trabalhos técnicos”.
Nessa rubrica, ele nunca gastou menos de R$ 10 mil mensais, sendo que, em junho, chegou a pagar R$ 26 mil sabe-se lá a quem.
Dos R$ 180 mil a que tinha direito, em 2007, Índio gastou R$ 153.550,00 em consultoria.
É trabalho técnico pra ninguém botar defeito.

  • Quinta-feira, 01 Julho 2010 / 4:34

Índio da Costa, o perdulário

O vice de Serra, deputado Índio da Costa, é um gastador inveterado.
A chamada cota para o exercício da atividade parlamentar – a caixa 2 dos deputados, paga pela Câmara  - é de até R$ 15 mil mensais.
Nos primeiros seis meses, portanto, Índio poderia ter gasto até R$ 90 mil.
Pois ele gastou mais de 60% do que estava previsto. Foram exatos R$ 145.009,67. A saber:
Janeiro           R$ 42.328,66 
Fevereiro       R$ 19.505,33
Março            R$ 43.074,16
Abril              R$ 19.829,29
Maio              R$ 12.056,32
Junho            R$   8.215,91
Uma coisa certa: o vice de Serra, relator da Lei da Ficha Limpa, acabaria preso pela Lei de Resposabilidade Fiscal.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.