• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:24

Cabral prepara punhalada em Lula

  Do ‘Informe do Dia’:
“O governador Sergio Cabral aposta na atuação do presidente Lula para barrar a ameaça de apropriação, por outros Estados, da maior parte dos royaltes do petróleo que é destinada ao Rio de Janeiro.
Cabral chegou a pedir a integrantes da bancada federal fluminense para não fazerem barulho sobre o assunto: afirma que Lula vetará a emenda dos deputados Ibsen Pinheiro (RS) e Humberto Souto (MG), a que redistribuiu os royaltes. Uma nova conversa com o presidente esta marcada para o dia 8, no Rio”.
Cabral além de fanfarrão é covarde.
E, agora, quer responsabilizar o Presidente pelo prejuízo que o Rio terá com a perda dos royaltes.
No dia 24 de novembro, o governador Sergio Cabral foi a Brasília para uma reunião com deputados no gabinete do presidente Michel Temer. Na saída, visivelmente alterado, Cabral disse que um grupo de parlamentare, de diferentes partidos e de diferentes Estados, haviam se unido para “roubar o Rio de Janeiro”. Destemperado,  Cabral chamava de ladrão o próprio líder de seu partido na Câmara, o deputado Henrique Alves, do Rio Grande do Norte.
Na entrevista, o governador disse também que “hoje, são deputados da base do governo que estão assinando emendas. É um governador da base do governo que está fazendo proselitismo e demagogia com o estado alheio, querendo se notabilizar nacionalmente com prejuízo do povo do Rio”.
Cabral se referia ao governador Eduardo Campos, de Pernambuco, líder dos governadores nordestinos, que respondeu a acusação com ironia:
“Já estou com ciúmes dele, disse Campos. Ele (Cabral) é o melhor advogado da nossa tese”.
Três dias depois, Cabral plantou no Painel da ‘Folha’ a seguinte nota:
“Com a possibilidade de derrota do Rio na disputa pela partilha dos royalties do pré-sal, aliados de Sérgio Cabral (PMDB) fizeram circular que o Estado fará denúncias contra Pernambuco, de Eduardo Campos (PSB), ao Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária).
Ameaçam pedir que o conselho vete a concessão de incentivos fiscais, como redução de ICMS, feitas por Campos. Esse tipo de benefício só é autorizado com o aval de todos os Estados?.
E esse blog comentava: “Tenham certeza que Cabral não fará nada contra Campos. Ele não tem coragem para tanto”.
Dito e feito.
Agora o fanfarrão pede a bancada do Rio – se é verdade que ele pediu – para não fazer barulho, pois Lula vetará as emendas que prejudicam o Estado. Será que o Presidente vetará uma emenda aprovada pela maioria dos deputados? Difícil. Mas se não vetar, o culpado pelo prejuízo será Lula e não Sergio Cabral.
Isso é mais do que uma punhalada.
Cabral fez o que fez em novembro, e agora quer culpar o Presidente pelo seu fracasso.
Lula não merecia tamanha injustiça.
E quem for fazer a campanha de Dilma Rousseff , no interior do Estado, é quem mais sofrerá.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:57

O fanfarrão é um trapalhão

Sergio Cabral ao anunciar, em Londres, a cessão do Palácio Gustavo Capanema para as Olimpíadas de 2016, não atropelou apenas o Prefeito Eduardo Paes, o ministro Orlando Silva, e mais o presidente do COB, Carlos Nuzman. Ele fez outra vítima, segundo informa Ancelmo Góis: o próprio usuário do prédio, o ministro da Educação, Fernando Haddad “soube pelos jornais” que o palácio “abrigará o comitêd organizador dos Jogos de 2016 e a Autoridade Pública Olímpica”.
Cabral além de fanfarrão é trapalhão. E sem educação.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:54

O maquiavelismo de Cabral

De Ilimar Franco, hoje no ‘Globo’:
“Quando estiveram juntos no Rio, na segunda-feira, o presidente Lula chamou o prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), e ponderou que ele deveria refletir muito antes de abandonar seu mandato para tentar uma vaga no Senado”.
Lula falou com Lindberg o que Sergio Cabral gostaria de ter falado. Para o governador, o melhor é que, em Nova Iguaçu, tudo continue como está.
Primeiro, porque isso municipalizaria a figura do petista, com quem Cabral tem hoje uma inimizade íntima.
Segundo, porque se Lindberg se elege Senador, daqui a quatro ele será candidato forte ao governo do Rio.
E, por último, porém o mais importante: Cabral não é amigo de ninguém, com exceção de Régis Fichtner. A saída de Lindinho da prefeitura seria ótima para a campanha de Jorge Picciani ao Senado, pois ele passaria a ter no comando da maior cidade da Baixada, a vice Sheila Gama, uma aliada de confiança. E Cabral quer derrotar Picciani, mas não pode fazer isso abertamente.
Por isso, pediu a Lula que falasse com o “aliado”. E o Presidente, inocente, fez o jogo de Cabral, mas com outros objetivos: primeiro acreditando, de verdade, ser esse o melhor caminho para Lindberg, que assim não correria um risco desnecessário; e segundo porque isso facilitaria a vida de Benedita da Silva.
Cabral é mesmo maquiavélico.

  • Quinta-feira, 13 Maio 2010 / 4:06

Lula anda reclamando de Cabral

De Ilimar Franco, no Panorama Político, de ‘O Globo’:
“O presidente Lula anda se queixando do governador Sérgio Cabral (RJ), do presidente da Fiesp, Paulo Skaf (PSB), e do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). Irritado com Cabral, diz: “Eu vou fazer campanha para o Marcelo Crivella para o Senado”. Sobre Skaf em São Paulo: “Tinha que estar todo mundo junto com o Aloizio Mercadante”. Quanto à candidatura de Geddel ao governo da Bahia: acha que ele tem um acordo com o carlismo”.
                   * * *
Justiça seja feita com relação a Cabral.
Lula se queixa, mas eu momento algum ele se mostra surpreso.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.