• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:52

De Serra para Lula da Silva

De José Serra, no Twitter:
“Parabéns ao Presidente Lula, escolhido líder do ano pela revista americana Time. É bom para o Brasil”.
                       * * *
A mensagem de Serra deve ser menos por Lula, e mais para infernizar a vida de FHC.

  • Terça-feira, 29 Junho 2010 / 4:31

Ajoelhou tem que rezar

José Serra elogia Lula mas não segue o seu exemplo.
É óbvio que Lula preferiria não fazer aliança com o PMDB, mas o Presidente é pragmático o suficiente para saber a importância desse acordo.
Por isso, sacrificou o PT em diversos Estados, como no Rio de Janeiro e em Minas.
É claro que o vice de seus sonhos seria Henrique Meirelles.
Mas ele engoliu Michel Temer.

  • Quinta-feira, 13 Maio 2010 / 4:06

Serra: “Lula está acima do bem e do mal”

Da repórter Ana Paula Grabois, do ‘Valor Econômico’:
“Em entrevista à Rádio Jornal, no programa de Geraldo Freire, no Recife, o pré-candidato à Presidência da República da oposição, José Serra (PSDB), elogiou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Lula está acima do bem e do mal. Não comparo nada com Lula”, disse. No Estado onde Lula tem 95% de aprovação, Serra disse que a popularidade do presidente “é merecida”, mas que ele não é candidato.
O pré-candidato, no entanto, não poupou críticas ao governo. Acusou o governo de loteamento de cargos na máquina federal e citou o caso dos aeroportos e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Serra, no entanto, eximiu Lula de responsabilidade. “O Lula, às vezes, tem a posição correta e não consegue acionar. Não é culpa dele. É um sistema que está aí. É esse sistema que tem que mudar e que mudarei se tiver oportunidade”, afirmou.
O pré-candidato também fez críticas ao andamento de obras federais no Nordeste, como a rodovia Transnordestina e a transposição do rio São Francisco, e disse ser preciso acelerar a execução do orçamento federal nos projetos.
Numa tentativa de aproximação ao eleitor do Nordeste, onde tem o maior nível de rejeição e a menor índice de intenção de voto, o pré-candidato listou iniciativas em benefício da região que participou, como o programa de abastecimento pró-água. Segundo Serra, ele negociou o empréstimo com Banco Mundial quando fazia parte do governo Fernando Henrique Cardoso para viabilizar o projeto. Citou que foi o autor da proposta do Fundo de Desenvolvimento do Norte e Nordeste quando era deputado constituinte.
Também destacou ter aumentado a participação da região nas verbas do Sistema Único de Saúde (SUS) e a cobertura do Programa Saúde na Família (PSF) em Pernambuco quando era ministro da Saúde. Negou ter a fama de anti-nordestino. “Isso é coisa de político para conseguir votos”, afirmou. Serra argumentou que todas as propostas que fez ao Congresso foram “uma batalha” em favor do Brasil e da região. “Individualmente, de fora do Nordeste, eu talvez tenha sido que na vida pública mais fez por aqui”, disse o pré-candidato tucano, que chegou a cantarolar um trecho da canção “Fim de Caso”, de Dolores Duran, durante a entrevista.
Serra disse que o seu vice “dificilmente” será um tucano, mas que a negociação do nome está a cargo do presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra. “Não sou eu que estou organizando isso”, afirmou. O pré-candidato anunciou a intenção de criar mais um ministério se eleito, voltado aos deficientes físicos, que somam 20 milhões de pessoas no país. Sobre a ideia já anunciada de instituir o Ministério da Segurança Pública, afirmou que um dos objetivos é coordenar as ações dos Estados no tema, com a cobrança de resultados.
Serra se disse alinhado politicamente à esquerda, embora ache difícil essa classificação ideológica. “O mundo mudou tanto que ao dar ênfase à indústria, ao emprego, à agricultura, de repente, você é considerado de esquerda. Se você acha que o juro está muito alto, é considerado de esquerda e tem gente que rapidamente passa a defender juro alto e se diz de esquerda”, afirmou Serra, numa referência ao atual governo.
Depois de conceder entrevista ao programa de rádio e a uma emissora de TV, Serra almoçou com parlamentares de Pernambuco, entre eles Jarbas Vasconcelos (PMDB), pré-candidato ao governo do Estado, que apoia o tucano, o senador Marco Maciel (DEM) e o presidente do seu partido e coordenador da campanha presidencial, senador Sérgio Guerra”.

  • Terça-feira, 11 Maio 2010 / 4:02

Serra reconhece que não existe terror

Do candidato José Serra reconhecendo que não existe terrorismo por parte dos adversários:
“O Lula disse que qualquer um que ganhar, não vai ter nada de anormal.Isso é importante porque tem quase um clima de terrorismo, de que, se alguém da oposição ganhar, o país perderia. Isso mostra que o Lula não está tão preocupado como se imagina se ganhar um outro candidato”.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.