• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:05

Muito Suplicy para um só Senado

O jornalista Claudio Humberto que, no governo Collor, ficou conhecido como o bateu-levou, continua mau que nem um pica-pau.
Veja a nota que ele publica hoje, em sua coluna, no ‘Jornal do Commércio’, do Recife:
“Marta Suplicy ri à toa. Com a candidatura de Aloizio Mercadante (PT) ao governo, crescem suas chances no Senado. Seu entusiasmo só não é maior porque, se eleita, terá de conviver com o chato do ex-marido”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:32

Agaciel quer ter imunidade

Das repórteres Ana Paula Scinocca e Rosa Costa, do ‘Estadão’:
“Apontado como responsável pelos atos secretos do Senado, segundo investigação da própria Casa, o ex-diretor-geral Agaciel Maia briga por espaço no PTC, ao qual se filiou em setembro, para disputar uma vaga na Câmara. A intenção de Agaciel, segundo apurou o Estado, é eleger-se deputado federal e garantir foro privilegiado.
Em pré-campanha, ele já distribuiu calendários em Brasília. Adesivos com seu nome, que divulgam sua página na internet, também são vistos nos carros que circulam na cidade, além de um trio elétrico, flagrado pela reportagem.
Agaciel nega que esteja em campanha. “Candidatura é futurologia”, disse ele ontem à reportagem, em entrevista por telefone. “Isso é coisa dos amigos que estão me dando apoio e dizendo: “Agaciel, não esmoreça”.”
A comissão que investiga os atos secretos no Senado concluiu relatório no qual Agaciel é apontado como coordenador da prática de não divulgar, ou retardar durante meses, a divulgação de atos administrativos questionáveis, como a contratação de servidores fantasmas, promoções e pagamento de horas-extras indevidas.
Dois dos três membros da comissão disciplinar encarregada do processo contra o ex-diretor-geral do Senado pedem a sua exoneração a bem do serviço público. Um terceiro sugere a suspensão.
O relatório foi enviado à primeira-secretaria da Casa no último dia 18. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), terá a palavra final sobre o afilhado. Além disso, aliados tentam ganhar tempo para que Agaciel consiga se candidatar e garantir o foro privilegiado.
Os calendários com a foto de Agaciel – e a inscrição “Que as bênçãos de Deus sejam constantes em seu lar” – foram rodados na Gráfica Certa.
Funcionários da empresa informaram que Agaciel tem encomendado as peças publicitárias quinzenalmente. Um dos lotes já rodados e entregues foi de 56 mil unidades. O pedido custou R$ 14 mil”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:24

Os campeões de gastos no Senado

 Cada Senador tem o direito de gastar,  mesalmente, até R$ 15 mil a título de verba indenizatória, aquela que paga aluguéis, refeições, gasolina, viagens e etc, fora de Brasília, bastando para isso apresentar nota fiscal – seja ela verdadeira ou não.
E mais: essas despesas estão livres do Imposto de Renda.
Segundo o site ‘Congresso em Foco’, os campeões de gastos em janeiro, embora o Senado estivesse em recesso, foram Suas Excelencias, os Srs. Senadores:
Demóstenes Torres – R$ 15.000,00
Geovani Borges - R$ 15.000,00
Raimundo Colombo - R$ 15.000,00
Eduardo Azeredo - R$ 14.849,84
João Claudino - R$ 14.801,83
Fernando Collor - R$ 14.383,96
Quem é quem?
1. Demóstenes Torres, de Goiás, é tido com um sujeito sério, e seus colegas do DEM o chamam de ‘Heloísa Helena’ do partido, devido a sua radicalização moral.
2. Geovani Borges, do PMDB do Amapá. Ele é suplente e assumiu o cargo no dia 22 de dezembro de 2009. No mês seguinte pegou R$ 15 mil redondos.
3. Raimundo Colombo é do DEM, de Santa Catarina. Também faturou R$ 15 mil exatos. Curioso é como as notas somam o limite permitido.
4. Eduardo Azeredo, do PSDB de Minas. O inventor do Mensalão.
5. João Claudino, do PTB do Piauí. Aliás, o Piauí é um caso a parte. A Mesa Diretora do Senado tem como 1º secretário um senador do Piauí; como 2º secretário outro senador do Piauí; e como 3º secretário, mais um senador do Piauí.
Isso é que é equilibrio federativo… O resto é besteira.
6. O 6º campeão de despesas foi o senador Fernando Collor, do PTB de Alagoas, ex-presidente da República que dispensa apresentações.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:19

PO renuncia: já vai tarde!!!

E o bobalhão se foi.
Disse que ficaria no DEM e, ameaçado de expulsão, anunciou que sairia do partido amanhã, quarta-feira.
Desfiliou-se hoje.
Disse que ficaria a frente do governo do Distrito Federal até 31 de dezembro.
Já anunciou que entregará, ainda hoje, a sua carta renunciando ao cargo.
Se não for preso nos próximo dias, deverá dar graças a Deus.
Agora é a intervenção, e depois fechar o cerco contra Joaquim Roriz.
E o Congresso que cumpra o seu papel, e faça a revisão da autonomia política do Distrito Federal. Está mais do que provado que a cidade não produziu quadros a altura do país. Aquilo é um bando de aventureiros e bandalheiros que não merecerem um mandato popular.
Não deveria ter governador, mas sim um prefeito nomeado pelo Poder Central, que é quem paga todas as contas do Distrito Federal.
E uma Câmara de Vereadores para controlar o Executivo.
E só.
Nada de representação federal na Câmara e no Senado.
Quem quiser ajudar a cidade, vá ser vereador.
Quem não estiver contente com isso, dispute um mandato eletivo em seu Estado de origem.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:18

Lindinho se avacalha um pouco mais

 Do Panorama Político, assinado por Fernanda Krakovics:
“O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, passou o domingo apagando incêndio.
Ligou para Fernando Pimentel, coordenador da pré-campanha de Dilma Rousseff, para dizer que foi mal interpretado e não teve a intenção de criticar o discurso da ministra no Congresso do PT. Repercutiu mal no partido a declaração de que a fala tinha sido longa e burocrática. Lindberg disputa com Benedita da Silva a indicação para ser candidato ao Senado, e esse episódio está sendo usado como suposto exemplo de deslealdade. O prefeito disse a Pimentel que, na verdade, quis dizer que preferiu a parte mais emotiva do discurso”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:17

Agaciel Maia, o caipira modernoso

  O Sr. Agaciel Maia, o antes todo poderoso chefão do Senado, responsável por tudo o que foi safadeza praticado na Casa, com o apoio, óbvio, de um grupo de senadores, à frente José Sarney, está agora em busca de uma imunidade.
Brasília amanheceu repleta de cartazes de Agaciel, embora ele negue que seja candidato.
Na internet, ele fez um blog, digno de um preguiçoso.
Seus últimos post estão datados de 10 de fevereiro. O primeiro é sobre “8 habilidades essenciais para um bom administrador” – imaginem. O segundo é de comemoração: “Hoje faz 33 anos que ingressei na carreira de servidor efetivo do Quadro de Pessoal do Senado Federal”.
No blog, o que existe de mais informativo, e verdadeiro, é um enorme relógio – já ajustado para o horário de Brasília.
Como administrador moderno que é, Agaciel abriu uma conta no Orkut, sem foto, sem recados, sem perfil. Também não tem amigos e está filiado apenas a uma comunidade: ‘Agaciel Maia Community’, criada em 19 de novembro de 2009 e, até hoje, passados mais de tres meses, com um único membro: ele próprio. Poderia pelo nomes colocar a esposa e os filhos.
Ele sugere ainda que o sigam no Twitter. Desde o dia 22 de janeiro ele postou nove mensagens. Seguidores? Zero.
Além de um link para o Facebbok, Agaciel tem outro para o YouTube. Caso você digite o seu nome, aparecerão alguns vídeos:
1. O diretor do Senado é suspeito de omitir da Declaração de Bens uma mansão avaliada em R$ 5 milhões…
2. Ouça os diálogos que ligam a família Sarney a favores de Agaciel. As gravações foram realizadas pela Polícia Federal com autorização judicial e …
3. O senador Arthur Virgílio Neto (do PSDB de José Serra e FHC), pulou dentro do caldeirão de escândalos no Senado. O senador passeou em Paris e pegou dinheiro emprestado com Agaciel Maia para pagar a…  
4. O cometário de Alexandre Garcia sobre o caso do senador Agaciel Maia…
5. O presidente do Senado, José Sarney, pediu ao TCU que investigue Agaciel Maia, que admitiu ser dono de uma mansão em Brasília, declarada no nome de …
E por aí vai. É vídeo que não acaba mais. Todos contra.
Agaciel Maia é mais o mais belo exemplo da necessidade de uma intervenção federal no Distrito Federal e, mais do isso: é preciso que o Congresso reveja a autonomia política da Capital.
Para se ter uma idéia, de 1994 para cá foram eleitos seis senadores, entre eles José Roberto Arruda, Luiz Estevão, Joaquim Roriz e Paulo Octavio.
Não há como resistir a isso.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:05

Senado deveria barrar general

A retratação do general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho, que criticou a presença de homossexuais nas Forças Armadas, não deveria valer de nada.
Não é possivel criticar em publico e pedir desculpas em particular.
O Senado deveria rejeitar o nome de Cerqueira para ministro do STM, já que ele se recusa a  divulgar o teor da carta que enviou ao Senado, com severas críticas a imprensa – que só fez reproduzir as ofendas que ele dirigiu ao mundo gay.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:02

Um general marcado pela rejeição

O general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho que falou contra a presença de homossexuais, nas Forças Armadas, está na maior saia justa.
Saia não porque ele não é homem para isso.
Mas dois sargentos gays começaram um movimento para tentar vetar a aprovação de seu nome para ministro do STM.
Mandaram cartas para a Mesa do Senado e para o Presidente da República:
?Se Vossa Excelência decidir pela confirmação (…), estaremos contribuindo para que se torne inócua a Carta que rege a magistratura, uma vez que a demonstração de discriminação injusta ou arbitrária de qualquer pessoa ou instituição é atentatória à dignidade do cargo?, diz o texto.
Eles receberam o apoio das ONGs Tortura Nunca Mais e Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Transexuais e Travestis.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:52

Itamar entrou para embolar

A disputa pelo Senado em Minas será, com certeza, a mais emocionante do país.
Os dois senadores que terminam agora seu mandato, já desistiram da disputa, pois sabem que não tem a menor chance.
O primeiro, o ex-governador Eduardo Azeredo, do PSDB, anunciou que concorrerá à uma cadeira na Câmara dos Deputados.
Já  Hélio Costa sabe que não tem chances de voltar a ser senador, mas poderia vencer a eleição para o Governo de Minas, se tivesse o apoio do PT. Ele é o nome hoje mais popular no estado, mas precisa  dos petistas.
Aécio Neves foi o primeiro a dizer que queria o Senado. Em seguida, Lula lançou o vice José Alencar, ?já que roubei quatro anos de seu mandato?, brincou o Presidente. Esses dois pareciam  imbatíveis. Até o anuncio do ex-presidente  Itamar Franco, desejando a mesma cadeira, embora só existam duas vagas.
José Alencar iniciou essa semana um novo tratamento de quimioterapia e, conforme os resultados dos exames, pode desistir da disputa. Isso facilitaria uma vitória de Itamar.
Se os três concorrerem, o que perder, seja ele quem for,  será injustiçado.
Se Itamar vencer, outra boa expectativa será o seu encontro, no plenário do Senado, com o ex-presidente Fernando Collor.
Ontem, alguns jornais especularam que Itamar poderia vir a ser vice de José Serra.
Se fosse, romperia com o governador paulista antes mesmo da eleição. E o motivo não seria as bordoadas que ele iria dar, durante a campanha, no seu sucessor Fernando Henrique Cardoso.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:43

Lindberg desiste e Cabral elogia

Da repórter Cristiane Jungblut no ‘Globo’:
“O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), disse ontem, depois de encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com dirigentes petistas, que suas dúvidas sobre a chance de concorrer ao Senado foram “dirimidas” pelo Planalto.
- As conversas foram maravilhosas. Estou decidido a ser candidato ao Senado, e vamos oficializar em um ato. O PT vai apoiar o Sérgio Cabral. Agora, ela (Benedita da Silva) tem todo o direito de concorrer, e, pessoalmente, tenho muito respeito por ela – disse Lindberg, anunciando um ato, no próximo dia 25, em que formalizará o apoio a Cabral, com a presença do presidente Lula.
Lindberg iniciará uma estratégia de tentar mostrar que tem mais apoio da máquina petista do Rio para concorrer do que a ex-senadora Benedita da Silva. A intenção é tentar chegar a um acordo com Benedita antes de março, quando seria feita a escolha dentro do partido. Cabral elogiou a decisão do prefeito petista de não concorrer ao governo do Rio:
- Um grande gesto, uma decisão muito importante – disse Cabral, ressaltando a “maturidade” de Lindberg”.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.