• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:51

A candidatura de Gabeira

Da ‘Folha’:
“O deputado e pré-candidato do PV ao governo do Estado disse que o ex-prefeito Cesar Maia (DEM) será o candidato ao Senado na chapa composta por PSDB, DEM, PPS e PV. A outra vaga para o Senado ficará com Aspásia Camargo (PV). A reunião para oficializar a chapa deve acontecer na próxima segunda. O Estado era apontado como um dos mais problemáticos para um palanque viável para Serra, pré-candidato à Presidência. Ontem, Maia disse em seu blog que conta com o apoio do PV”.
          * * *
Na curta nota da ‘Folha’, não há referência a candidatura ao Senado do advogado Marcello Cerqueira, pelo PPS, embora ele continue candidato.
          * * *
Se Aspásia Camargo fôr mesmo candidata ao Senado, a aliaça formal do PV será apenas com o PSDB, que apresentará o nome de Marcio Fortes para Vice?.
Mas e o tempo de TV? 
Gabeira terá os minutos do DEM?
Se tiver ele pedirá votos para Cesar?
Eles prometem anunciar o acordo na próxima segunda-feira. Cesar Maia garante que PSDB, DEM e PPS vão marchar juntos.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:47

Gabeira coloca a viola no saco

Da repórter Alessandra Duarte, de ‘O Globo’:
“Após tanta polêmica, o deputado federal Fernando Gabeira (PV) deve mesmo ser candidato ao governo do Rio pela coligação inicial dos verdes com PSDB, PPS e o DEM de Cesar Maia. Gabeira havia afastado essa opção depois de críticas de aliados, que temem a rejeição que o nome do ex-prefeito do Rio poderia provocar. Segundo Gabeira, a coligação com Cesar ?é a proposta que vamos manter?:
? A gente encerrou a fase de consultas a diretórios e eleitores pelo Estado do Rio. O que ficou claro é que a única alternativa com mais unanimidade é esta.
Os partidos da coligação do verde haviam consultado o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para saber se poderiam apresentar mais de dois candidatos ao Senado. Segundo Gabeira, mesmo sem o TSE ter respondido, será essa a configuração das candidaturas a serem lançadas:
? Dois candidatos pela coligação: o Cesar e o do PPS, Marcelo Cerqueira; e, por fora, a Aspásia Camargo (PV).
Quando o TSE responder, se não puder haver três ao Senado, a Aspásia sairia ? diz o verde.
? Temos de valorizar o que nos une, acabar com a dominação do PMDB.
E minimizar o que nos separa, a questão (da rejeição) do Cesar.
Outro motivo para a decisão é a necessidade de palanque no Rio para a candidatura presidencial de José Serra (PSDB).
? Nada no Rio é dissociado da candidatura Serra ? diz o deputado Luiz Paulo (PSDB).
? Serra aguarda uma solução ? afirma Márcio Fortes (PSDB), cotado para vice de Gabeira.
O anúncio oficial da decisão sai até sexta, após Alfredo Sirkis, presidente do PV-Rio, voltar de Washington”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:41

Gabeira ainda procura saída

Da repórter Paola de Moura, do ‘Valor Econômico’:
“Enquanto o DEM bate o pé, o PV continua a tentar uma alternativa para que o deputado federal Fernando Gabeira (PV) seja o candidato a governo do Estado e dê ao candidato do PSDB à Presidência, José Serra, o tão desejado palanque no Estado do Rio. O presidente do PV no Rio, vereador Alfredo Sirkis, colocou em seu site uma nova proposta de coligação que tenta evitar a necessidade de aprovação do Tribunal Superior Eleitoral. Segundo o vereador, ” a geometria é simples porque se tratam de duas eleições majoritárias: uma estadual, de governador, e outra federal, na qual o eleitor deve votar para dois poderes, o Legislativo, senador, e o Executivo, para presidente ” . Com isso seriam permitidas as diferentes coligações, na primeira, entre PV, PSDB e PPS e, na segunda, PSDB; DEM e PPS. Para ele, nesta composição, apenas Gabeira perderia tempo de televisão. ” Mas será o ônus que teremos que pagar”.
O deputado federal e presidente do DEM, Rodrigo Maia, nem quer ouvir falar na proposta. Segundo Maia, a nova tentativa está sendo feita para evitar uma possível derrota na Justiça Eleitoral. ” Eles vão perder, é claro ” , afirma o deputado. Para Maia, não há mais negociação possível. O DEM quer uma coligação completa que inclua em todos os horários de TV o ex-prefeito Cesar Maia como candidato da coligação ao Senado. ” Não há como ceder mais.”
Desde a semana passada. Gabeira disse que poderia novamente desistir de se candidatar ao governo do Estado porque seus eleitores não aprovavam a união de seu nome com a do ex-prefeito Cesar Maia, tese defendida por Sirkis desde o início das negociações. Gabeira chegou a dizer que voltaria a se candidatar a deputado federal se não tivesse tempo suficiente de televisão para tentar concorrer com a máquina do atual governador Sérgio Cabral.
Ontem, na inaguração da exposição em comemoração ao centenário de Tancredo Neves; no Museu Histórico Nacional, no Rio, com a presença do ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves, e do candidato José Serra, Rodrigo Maia marcou presença junto a políticos do PSDB. Nem Gabeira nem Sirkis compareceram. Do PV apenas a vereadora Aspásia Camargo, virtual candidata ao senado pelo partido, caso o nó político não seja desfeito.
Apesar da intransigência, Rodrigo Maia disse que o ex-deputado Márcio Fortes (PSDB) e candidato a vice-governador na chapa é quem está negociando com Gabeira uma solução para o problema. ” O que o Márcio Fortes conseguir, vamos negociar ” , afirmou. Sirkis também afirmou, por telefone, que a decisão está nas mãos de Gabeira e que vai apoiá-lo seja ela qual for.
Caso a coligação saia, a vereadora Aspásia Camargo ainda sonha com a candidatura ao senado. Ela diz que a legislação permite que o partido tenha um candidato avulso. ” A Marina (Marina Silva, candidata à presidência pelo PV) precisa de um candidato ao Senado. Não pode ficar sem ninguém ” , acredita.
No evento no Museu Histórico Nacional, tanto José Serra como Aécio Neves não quiseram falar de política. Em curta entrevista, depois de conhecer a exposição rapidamente, sempre acompanhado do ex-governador mineiro José Serra se limitou a dizer que Tancredo o inspirava muito. Os dois ficaram lado a lado durante toda a visitação, que durou cerca de meia hora”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:33

Gabeira diz ter opção secreta

Dos repórteres Isabel Braga e Cássio Bruno, de ‘O Globo’:
“A tentativa do PV de contornar os problemas da coligação em torno da candidatura do deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) ao governo do Rio, com o lançamento de mais de dois candidatos ao Senado na mesma chapa, deverá render novo debate no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O entendimento de especialistas é que essa dúvida tornou-se procedente a partir do fim da regra da verticalização nas alianças partidárias.
O TSE terá de dizer se a emenda que acabou com a verticalização liberou totalmente a possibilidade de coligações eleitorais ou se ainda vale a regra prevista no artigo 6º da lei eleitoral ( Lei 9.504/ 97). Este artigo faculta aos partidos, dentro da mesma circunscrição ( no caso do Rio, o estado), celebrar coligações para eleição majoritária, proporcional, “ou para ambas”. E estabelece que, no caso das proporcionais, é permitido fazer subcoligações, desde que formadas por partidos que integram a coligação na eleição majoritária.
Ou seja, se quatro partidos se unem para tentar eleger um governador, eles podem, no caso de eleição de deputados, fazer coligações menores. No entendimento de especialistas, isso não se estenderia à eleição de senadores, mas caberá ao TSE esclarecer.
O deputado Flávio Dino (PCdoB-MA), relator da minirreforma eleitoral do ano passado, diz acreditar que o TSE manterá o entendimento de que não é possível subcoligações no caso de eleições majoritárias nos estados.
- Entendo que cada partido pode se coligar para o governo e apresentar, sozinho, seu candidato ao Senado. Mas não pode haver, para o Senado, subcoligações entre os partidos que formam a chapa para o governo.
Para o advogado eleitoral do PSDB, Afonso Ribeiro, a lei é mais restritiva e só permite que uma coligação para o governo lance dois candidatos ao Senado. O PV entrou com consulta indagando justamente se cada partido pode lançar individualmente seu candidato ao Senado. E também perguntAlou se é possível sub coligações. O PV quer lançar Aspásia Camargo ao Senado, e os nomes de Marcelo Cerqueira (PPS) e Cesar Maia (DEM) seriam lançados pelos demais partidos. A consulta ainda não foi respondida.
Gabeira disse ontem que sua maior preocupação é a de garantir um candidato da oposição que seja competitivo.
- Essa proposta (de lançar quatro candidatos ao Senado) foi feita para acomodar as divergências. Estamos também pensando em outras opções, mas não posso adiantar ainda – disse Gabeira. – Existe uma dominação do PMDB no estado, que pode ser ameaçada por uma candidatura de oposição. Podemos nos unir porque o mais importante é ter um candidato de oposição competitivo.
A crise na coligação PV/PSDB/DEM/PPS no Rio, provocada pela resistência de parte dos verdes e dos tucanos a Cesar Maia, pode atingir as pretensões do pré-candidato à Presidência pelo PSDB, José Serra, de ter um palanque no estado.
Gabeira está sendo pressionado por aliados, que temem desgaste se o deputado fizer dobradinha com Cesar Maia, que vai disputar uma vaga no Senado pelo DEM. Gabeira e Serra devem se encontrar ainda esta semana para tentar solucionar o impasse.
Ontem, o presidente regional do PV no Rio, Alfredo Sirkis, admitiu que a situação na coligação está tensa:
- A hipótese (da desistência de Gabeira) tem que ser considerada. Ele (Gabeira) está preocupado e impaciente. Mas temos até junho, na convenção, para resolver.
O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia, disse que o partido seguirá as orientações de Serra, independentemente de Gabeira ser ou não candidato ao governo do Rio:
- Faremos o que Serra mandar para beneficiá-lo no palanque do Rio.
Há quase duas semanas, Rodrigo Maia centrou ataques em Gabeira, dizendo que “ele recebe meia dúzia de mensagens contra Cesar Maia e entra em TPM”.
Ontem, por e-mail, Cesar Maia foi mais cauteloso:
- Acho que o Rio deixaria de contar com um vetor alternativo, o que prejudicaria muito a decisão do eleitor. Espero que isso (a desistência de Gabeira) não ocorra”.
                       * * *
O deputado Fernando Gabeira foi engolido pelos aloprados de sua coligação e, agora, finge que a questão depende do TSE.
É claro que não depende.
O TSE poderá responder a consulta da maneira que bem entender.
O que se discute não é o fim da verticalização, já que o impasse não é jurídico, e ele sabe disso.
O impasse é político.
Não faz sentido o DEM e o PSDB abrirem mão de seu tempo na TV, para o candidato ao governo, e esse não ser leal àqueles que lhe proporcionam esse espaço.
                       * * *
Coligação é para unir simpatizantes e, às vezes, até contrários.
Correligionários estão sempre no mesmo partido.
O que não parece ser o caso do PV.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:29

Marina cria comitê invisível

Do repórter Eduardo Scolese, da ‘Folha’:
“Para não afastar colaboradores que rejeitam qualquer tipo de vinculação partidária e eleitoral, o comando da pré-candidatura presidencial de Marina Silva (PV-AC) criou uma espécie de “comitê neutro” para a formulação do programa de governo da senadora.
Desde que a ex-ministra petista anunciou sua intenção de disputar a Presidência, acadêmicos e empresários têm imposto a seguinte condição: querem oferecer ideias, desde que, ao menos por ora, não tenham seus nomes propagandeados como colaboradores do partido e da pré-campanha.
Entre os chamados “colaboradores invisíveis”, segundo auxiliares de Marina, há intelectuais historicamente ligados a PT e PSDB que não estariam encontrando espaço para apresentar suas ideias nessas siglas.
Para manter as portas abertas a todos os interessados, auxiliares de Marina não têm recusado nenhuma proposta, mesmo aquelas que não estarão no texto final do programa de governo, como o uso de energia nuclear como opção de matriz energética do país.
Por enquanto, o comitê, com sede em São Paulo, tem realizado mesas de discussões e debates para receber propostas, em geral, para setores como educação, saúde, energia, cidades e segurança pública. Esse primeiro documento trará os principais eixos da campanha. Em seguida, tomará corpo para o texto final do programa.
A coordenação da pré-campanha ainda não sabe exatamente como fará a fusão dessas propostas com o novo caderno oficial de diretrizes do PV, a ser finalizado até julho.
“É uma coisa contraditória de se pensar. Ou seja, pessoas colaborando com o partido e outros colaborando fora do esquema do partido. É uma ginástica superinteressante”, afirma o coordenador do “comitê neutro”, João Paulo Capobianco, que foi secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente na gestão Marina.
Um elo certo entre os dois documentos será a sustentabilidade. “É um dos eixos da revisão programática do partido e será o eixo da proposta de reforma tributária do programa de governo, com estímulos para o desenvolvimento sustentável”, afirma o vereador carioca Alfredo Sirkis, um dos coordenadores da campanha”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:28

Dilma ainda precisa de Ciro

Pesquisa eleitoral, como políticos não cansam de ressaltar, é o retrato da hora.
Daqui uma semana o quadro poderá ser outro.
O fato é que, pela pesquisa Sensus – encomendada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção Pesada de São Paulo – divulgada hoje, José Serra, do PSDB tem 32,7%, e Dilma Rousseff, do PT, está com 32,4%. Ou seja: estão empatados.
Se a eleição fosse hoje, Ciro Gomes (PSB) com seus 10,1%, levaria a eleição para o segundo turno.
Quando a pesquisa exclui Ciro, Serra sobre para 36,8% e Dilma para 34%.
Na nova pesquisa, Marina Silva, do PV, tem 8,1%. Brancos e nulos somam 9,1% e 9.5%, e a margem de erro é de 2,2 pontos.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:27

Gabeira desanimado ameaça renunciar

Da repórter Paola de Moura, do ‘Valor Econômico’:
“Desanimado com a falta de acordo entre PV e DEM e convicto de que a união de seu nome ao do ex-prefeito Cesar Maia, candidato ao Senado pelo DEM, seria prejudicial à sua campanha a governador, o deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ) ameaça desistir da candidatura ao governo do Rio e tentar nova vaga na Câmara. A possível desistência pode atrapalhar a candidatura do pré-candidato à Presidência da República do PSDB, José Serra, no Estado. “Tenho dado boas contribuições lá. Já participei do programa de Aids, quebra do monopólio das teles e fui relator para Kioto. Posso continuar a trabalhar em Brasília, apesar de não ser um dos melhores lugares do mundo”, disse Gabeira. O PV fez acordo com PSDB, DEM e PPS, mas o PV fluminense guarda resistência com o DEM, especialmente com Maia. O PSDB nacional, porém quer o DEM aliado em todos os Estados do país.
Nesta semana, depois de ouvir sobre a rejeição de seu nome pela base eleitoral de Gabeira, Maia publicou em seu blog que a coligação seria mais necessária à Gabeira que a ele próprio. Maia afirmou ainda que o deputado do PV não seria mais essencial à campanha de Serra, pois sem Ciro Gomes e com poucas chances de vitória da candidata a presidente do PV, Marina Silva, Serra poderia ganhar a eleição já no primeiro turno. Segundo o ex-prefeito, a solução seria lançar candidatura própria do PSDB no Rio.
Mesmo com 18% dos votos nas pesquisas, Gabeira diz que faria a campanha com pouco dinheiro e tempo curto na televisão. O deputado está em terceiro lugar nas sondagens eleitorais, próximo a Anthony Garotinho (PR), com 23%. O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), tem 37%. “Estou lutando com todas as máquinas, a da prefeitura, a do Estado, a federal e a Universal [Igreja Universal], não posso me dar ao luxo de perder contato com parte do eleitorado. Tenho que manter minha trincheira”, afirmou.
O deputado estadual tucano Luiz Paulo Corrêa da Rocha diz que os ânimos estão muito acirrados e que o tempo apaziguará as diferenças. “Não fizemos nenhuma conversa coletiva sobre a coligação. Por enquanto, só há muita conversa individual. O que temos acordado são dois senadores, um do DEM e outro do PPS, e o Gabeira para governador”, disse. “Deixa todo mundo se acalmar. Nosso desejo é pela manutenção do que foi acordado, mesmo porque é o eleitor quem vai decidir.”
A possibilidade de Gabeira desistir da candidatura a governador causou surpresa no PPS. “Tivemos hoje (ontem) uma reunião no diretório regional e o que nos foi passado é que o problema vai ser resolvido pelas direções dos partidos. Esta possibilidade não nos foi informada ainda”, disse o vereador Paulo Pinheiro (PPS). “A coligação está acertada e nós daremos um dos candidatos a senador”, referindo-se ao ex-deputado federal Marcelo Cerqueira.
Procurado através de e-mail, por onde se comunica com a imprensa, o ex-prefeito César Maia não respondeu se desistiu da coligação. Na última semana, divulgou em seu blog números com a média de pesquisas eleitorais ao Senado, onde aparece em segundo lugar, com 35%, atrás do senador Marcelo Crivella (PRB), com 39%. Na terceira colocação, viria o ex-prefeito de Nova Iguaçu Lindberg Farias (PT), com 15%”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:17

Gabeira precisa do DEM

Dos repórteres Alessandra Duarte e Cássio Bruno, do ‘Globo’:
“O deputado Fernando Gabeira (PV) acha que o ex-prefeito Cesar Maia (DEM) “é o melhor candidato para o Senado”, como ele afirmou mês passado num evento do DEM, ou não quer saber do ex-prefeito em seu palanque na campanha a governador do Rio, como disse o PV em seguida? Para cientistas políticos, o vaivém da relação do pré-candidato verde com Cesar Maia já teria feito com que as imagens dos dois comecem a ser associadas. Os analistas também acreditam que a necessidade de um palanque forte para o tucano José Serra no Rio vai pressionar Gabeira a aceitar o DEM de Cesar, aliado do PSDB. Ontem, na Câmara de Vereadores do Rio, nenhum vereador do DEM compareceu a um evento organizado por Gabeira para falar das eleições deste ano.
Para o professor Ricardo Ismael, coordenador do curso de ciências sociais da PUC do Rio, “o copo d”água já entornou”:
- Houve falta de habilidade política por parte do Gabeira. Ele não podia ter ido a público elogiar Cesar Maia se havia a possibilidade de voltar atrás depois. Isso causou estranhamento tanto aos eleitores do Gabeira, quando ele o apoiou, quanto aos eleitores mais próximos do Cesar, mais conservadores, quando voltou atrás – afirma Ismael, para quem o fato também serviu para relembrar o apoio dado por Cesar a Gabeira no segundo turno das eleições municipais de 2008. – Ali, o Gabeira não levou o apoio do Cesar Maia à TV, mas também não falou mal dele. E o (então candidato) Eduardo Paes utilizou isso contra o Gabeira. Houve folhetos com fotos dos dois juntos…
A aproximação entre Gabeira e Cesar é criticada por nomes do PV como o presidente regional, Alfredo Sirkis. Um dos motivos seria o temor de que a rejeição a Cesar na classe média carioca seja transferida para Gabeira.
- Qualquer que seja o desfecho, vai ficar registrada a aproximação dos dois – diz Ismael. – Mas o estrago será menor se ele aceitar de vez o DEM. O PV tem pouco tempo de TV, depende do DEM e do PSDB. Ele não pode pensar que será como campanha a prefeito. O PV não tem estrutura fora da capital, não é a parte mais forte da chapa. Se o Gabeira acha que pode, sem aliados, quebrar a força de Cabral e Garotinho no interior do estado, engana-se. O Zito (presidente estadual do PSDB) não gosta dele; e ele (Gabeira) nega os aliados que pode ter?
Ismael lembra ainda o fator nacional nesse imbróglio: para ele, o DEM “tem bala na agulha” para exigir que o PSDB pressione o PV a apoiar Cesar, já que o PSDB precisaria do DEM no Rio para a campanha de Serra. O professor Eurico Figueiredo, coordenador de pós-graduação em ciência política da Universidade Federal Fluminense (UFF), também acredita que a campanha nacional do PSDB afetará as alianças no Rio.
- O Sirkis tem importância local. Nacionalmente, é dez vezes menos importante que o Cesar, assim como o PV é menos importante nacionalmente do que o DEM. O que der respaldo a uma frente de oposição e à candidatura Serra será o parâmetro – diz Figueiredo.
Ontem, um evento organizado por Gabeira na Câmara do Rio teve como público metade dos 300 inscritos – por causa da chuva, alegou o verde. Dos 17 vereadores da coligação de apoio a Gabeira, quatro compareceram, nenhum deles do DEM. Segundo Gabeira, ele não teria convidado nenhum vereador. No evento, o pré-candidato elogiou as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do governo Cabral, ressalvando que a segurança não pode ser “só para a Zona Sul”. Mas criticou o transporte público no estado (“o que o Metrô fez para receber uma renovação de concessão de mais 20 anos?”), além das viagens de Cabral e do gasto do governo com propaganda:
- Um gasto de R$180 milhões foi o que o Obama transferiu para o Haiti”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:17

Cesar Maia: ultima cartada?

 Desde que o PV do Rio – à frente o seu ex-secretário nos três governos, Alfredo Sirkis – começou a bombardear a candidatura de Cesar Maia ao Senado, pelo DEM, o ex-prefeito tem se mantido em silencio sobre o assunto. A única vez que falou foi, semana passada, num vídeo-chat promovido por sua campanha. Cesar prefere falar sobre traições e ódios, do passado.
No blog do hoje, ele não cita responsáveis, mas avança um pouco mais.
Provávelmente seja essa a sua última declaração em busca da pacificação, embora já fale nos “compreensíveis problemas político-hepáticos”.
E deixa claro, mesmo sem citar nomes que, Gabeira sem o DEM, será derrotado, e a eleição no Rio será decidida no primeiro turno (entre Cabral e Garotinho), também sem nomes.
Eis o seu texto:
“1. Em ano de eleição, cada vez que surge um conflito entre políticos ou entre partidos, o que está, de verdade, por trás dos fatos são os votos. No caso do Estado do Rio, há um complicador adicional: a candidatura de Marina da Silva. Em 2006, Heloisa Helena teve 6% dos votos no Brasil e 14% no Rio. Então é natural que os candidatos que apóiam Marina Silva queiram potencializá-la no Rio. Até porque, o elemento vinculante pelo número deve agregar legenda aos deputados.
2. Por isso, além do espaço que foi conquistado por razões de alternativa política local, com a candidatura a governador, querem ampliar esse espaço fazendo aparecer o número de Marina mais vezes na TV. Por isso, o interesse em lançar candidato a Senador e obter algum tempo dos partidos associados na campanha de governador. Excluindo os compreensíveis problemas político-hepáticos, é esta a questão central.
3. Em 2009, quando se configurava compulsoriamente uma campanha presidencial em dois turnos, a afirmação de uma candidatura a governador no Estado do Rio apoiada pelos partidos da base de Serra (PSDB-DEM-PPS) era um dado importante para tirar espaço da candidata presidencial do PT. Mas o quadro mudou. A eleição se tornou polarizada, eliminou a possibilidade de inclusão de Ciro Gomes e Marina, com toda a generosidade da imprensa, continuou patinando no mesmo patamar.
4. Dessa forma, criou-se um quadro que a eleição presidencial pode ser decidida no primeiro turno, bastando para tal, que um candidato supere o outro pela votação de Marina. Observando 2006, isso é possível, na medida em que se projeta, no final de agosto depois da entrada da TV, o mesmo emagrecimento que ocorreu com Heloisa Helena. E esta, estava na época, com níveis bem mais altos do que estará Marina em 2010.
5. Assim sendo, o entorno de Serra, respeitando os avanços que já se tinham feito no Estado do Rio, com seus três partidos em relação à candidatura a governador de interesse de Marina, passou a reavaliar, para dentro, esse quadro. A conclusão óbvia é que não vale a pena mais estimular a candidatura de Marina no Estado do Rio, pois Serra pode ganhar no primeiro turno. E se deixou o barco flutuar.
6. Paradoxalmente, quem resolveu esticar a corda, exigindo ruptura da coligação para ganhar mais tempo de TV no Senado, foram os que apóiam Marina. Durante 8 meses a mesma cantilena deles na imprensa, pedindo a exclusão do DEM. Os partidos da base de Serra se mantiveram silentes. Esse comportamento foi entendido, ingenuamente, pelos apoiadores de Marina, que havia campo para avançarem. E assim o fizeram declarando que excluiriam o DEM da coligação, usando os argumentos mais esdrúxulos contra um candidato que co-lidera as pesquisas ao Senado e que abre entre os eleitores de renda mais alta.
7. O resultado é que, precipitado pelos que apóiam Marina, se reabriu a possibilidade de se rever a decisão anterior e com isso se reabrir a discussão sobre a candidatura a governador, passando-se a usar o numero 45 nela. É possível que isso leve a eleição estadual para ser decidida em primeiro turno, o que seria algo razoável, pois não se teria eleição estadual no RJ no segundo turno. São essas as questões em discussão atrás das cortinas, e o que vem a público são vozes emanadas de lá e desconectadas do conjunto”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:17

DEM e PV, isolando radicais

De Renata Lo Prete, do Painel, da ‘Folha’:
“Os mediadores mais otimistas avaliam que ainda é possível resolver o impasse oposicionista no Rio, onde o PV do candidato ao governo Fernando Gabeira se recusa a aceitar Cesar Maia (DEM) ao Senado na chapa.
Para tanto, seria necessário conter os mais inflamados: de um lado, o filho de Cesar, deputado Rodrigo Maia; de outro, Alfredo Sirkis, cuja rejeição ao ex-prefeito é menos ideológica do que fruto de desavença pessoal”.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.