• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:38

Rio: o Cristo que se dane

A recompensa de R$ 5 mil para quem der uma pista que leve aos vândalos pichadores do Cristo Redentor, é mais uma prova do descaso das autoridades do Rio pelo monumento.
O prefeito Eduardo Paes não mencionou os nomes dos doadores, não por modéstia. Foi pura vergonha.
Quando a estátua do Cristo Redentor, e o seu entorno, disputavam o privilégio de se tornar uma das 7 Maravilhas do Mundo,  o governo do Rio não moveu uma palha. Agora faz o mesmo.
Na época, nem ao menos um link do concurso – para que as pessoas votassem – o Governo do Rio exibia em seu portal.
Aécio Neves e José Serra, infinitamente mais antenados que Sergio Cabral, perceberam logo a importância da campanha e subiram o Corcovado. O governador os acompanhou, posando como um verdadeiro papagaio de pirata.
Todos entendiam que o Cristo era do Brasil, assim como as pirâmides são do Egito, a Torre Eiffel da França e o Taj Mahal da Índia. Menos o governador.
Na época, o autor desse blog disse que as autoridades preferiam, ao invés da campanha do Cristo, os jogos do PAN, pois eles movimentavam verbas e empreiteiros, proporcionavam superfaturamentos e bocas-livres, além de caixinhas e mordomias.
Eleito, o monumento não mereceu, por parte das autoridades, nem ao menos um policiamento. Por isso a ação dos pichadores.
A indignação de Cabral com o fato é zero. Até agora, ele não deu uma declaração sobre a vergonha que hoje corre o mundo. Ou a pichação não tem importância, ou ele não tem opinião.
O fanfarrão que prometeu reunir empresários para pagar uma palestra de Tony Blair ? político  desprezado pelos ingleses e sem condições de dar consultoria as Olimpíadas de Londres, mas que foi convidado para dar palpites nas Olimpíadas do Rio – não disparou um único telefonema para ajudar na busca dos pichadores.
A notícia da recompensa de R$ 5 mil, foi divulgada no mesmo dia em que a Polícia Federal prendeu um traficante, cuja recompensa era de US$ 5 milhões.
É claro que uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa.
Mas soa estranho que um colombiano preso esteja valendo 1 mil e 800 vezes mais do que o Cristo Redentor limpo.
$ergio Cabral entende de números.
Por isso, seu comportamento é o mesmo de quando o monumento estava em campanha.
O Cristo que se dane.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:59

Rio2016 é palhaçada pré-carnavalesca

 Enciumado com a contratação de Tony Blair, Eduardo Paes agora vai contratar o ex-prefeito de Barcelona, Pasqual Maragall, como consultor das Olimpíadas de 2016:
- Quero ser o Maragall no futuro, e quero que o futuro do Rio seja Barcelona.
Quanta palhaçada. Própria do período pré-carnavalesco.
As últimas Olimpíadas foram em Pequim.
Quem será que vai atrás do prefeito da capital da China? O que existe de mais moderno, até agora, foi testado lá?
E as de Moscou?
Quem não se lembra de Misha, o ursinho símbolo das Olimpíadas? É preciso contratar o gênio que inventou esse mascote.
E as de Atenas? Onde tudo começou?
Paris já realizou dois Jogos Olímpicos. E Cabral ainda não foi atrás dos seus idealizadores? Quem sabe os encontre no cemitério de Montmarte?
Para quem não sabe, Londres vai realizar a sua terceira Olimpíada: a primeira foi em 1908 e a segunda em 1948.
Que fique bem claro: Londres já realizou duas outras Olimpíadas, quando Tony Blair ainda não tinha sequer nascido.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:57

Só mesmo no Rio de Cabral

De um expert em ingleses, em Olimpíadas, em assassinos e coisas tais:
“É claro que o Tony Blair pode muito bem assessorar as Olimpíadas do Rio.
Isso não tem nada demais.
O que ele não pode é assessorar as Olimpíadas de Londres.
Se fosse convidado, ele sairia de lá escorraçado”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:56

Cabral atropelou parceiros em Londres

Carlos Nuzman e Orlando Silva reclamaram, pelo menos para duas pessoas, do comportamento de Sergio Cabral durante a viagem a Londres.
Eles dizem que o contato com as autoridades inglesas que cuidam dos preparativos das Olimpíadas de 2012 foi muito  proveitoso, mas o que ficou para a opinião pública foi apenas o anuncio do governador Sergio Cabral sobre a cessão do Palácio Gustavo Capanema e o convite para Tony Blair dar assessoria às Olimpíadas do Rio.
Cabral roubou a cena, atropelou o prefeito, o ministro e o COB, e todos acabaram sendo vítimas da fanfarronice do governador.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.