Cabral contrata mentiroso

No encontro,Carlos Nuzman (a esquerda) serviu de intérprete de Cabral

No encontro,Carlos Nuzman (a esquerda) serviu de intérprete de Cabral

Sergio Cabral escolhe a dedo as pessoas que o cercam.
Hoje pela manhã, ele convidou o ex-Primeiro-Ministro britânico Tony Blair para ser o consultor das Olimpíadas de 2016, já que Londres ganhou o privilégio de ser sede dos Jogos Olimpícos quando ele estava no poder.  Nada uma coisa a ver com a outra. Mas o fanfarrão age assim.
Quanto Blair vai ganhar?
Para o governador isso não importa: ?Eu iniciei contatos com empresas e tenho certeza de que elas não nos faltarão, como não faltaram durante a campanha para o Rio ser a sede olímpica em 2016. Agora, farei um chamamento geral ao setor privado para contratar o ex-primeiro-ministro. Em maio, ele já deve dar uma palestra no Rio e assinar o contrato? ? disse ele.
Acostumado a cobrar, por palestra, cerca de US$ 3 mil o minuto, Blair vai embolsar US$ 150 mil para um blá-blá-blá de 50 minutos sobre sabe-se lá o que -  fora as passagens, hotel, refeições e mordomias. Se ele será contrato ou não, isso é outra história. Rudolph Giulliani também seria, e sua proposta terminou na lixeira do gabinete de Cabral.
Mas a notícia certamente alegrou o britânico. Afinal, ontem ele teve um dia de cão.
Blair é destaque hoje em todos os jornais do mundo, depois do depoimento de mais de seis horas no chamado Inquérito Chicot  – uma comissão independente que apura a participação desastrosa do Reino Unido, na invasão do Iraque, em 2003. Na platéia estavam parentes de mais de 150 soldados britânicos mortos nos seis anos de presença das tropas britânicas no Iraque.
Do lado de fora,  o contratado de Cabral era saudado como assassino, terrorista e  mentiroso ? e todos pediam a sua condenação como criminoso de guerra.
Para escapar dos manifestantes, Blair chegou ao local do depoimento com duas e meia de antecedência e entrou por uma garagem subterrânea.
Caso algum instituto decida fazer uma pesquisa para saber quais os 10 homens mais odiados do mundo, Blair estará com certeza entre eles. Na frente até mesmo de seu colega Bush, que o convenceu a entrar na aventura do Iraque, com a desculpa de que Saddam possuía um arsenal de armas químicas ? o que nunca foi descoberto.