Os campeões de gastos no Senado

 Cada Senador tem o direito de gastar,  mesalmente, até R$ 15 mil a título de verba indenizatória, aquela que paga aluguéis, refeições, gasolina, viagens e etc, fora de Brasília, bastando para isso apresentar nota fiscal – seja ela verdadeira ou não.
E mais: essas despesas estão livres do Imposto de Renda.
Segundo o site ‘Congresso em Foco’, os campeões de gastos em janeiro, embora o Senado estivesse em recesso, foram Suas Excelencias, os Srs. Senadores:
Demóstenes Torres – R$ 15.000,00
Geovani Borges - R$ 15.000,00
Raimundo Colombo - R$ 15.000,00
Eduardo Azeredo - R$ 14.849,84
João Claudino - R$ 14.801,83
Fernando Collor - R$ 14.383,96
Quem é quem?
1. Demóstenes Torres, de Goiás, é tido com um sujeito sério, e seus colegas do DEM o chamam de ‘Heloísa Helena’ do partido, devido a sua radicalização moral.
2. Geovani Borges, do PMDB do Amapá. Ele é suplente e assumiu o cargo no dia 22 de dezembro de 2009. No mês seguinte pegou R$ 15 mil redondos.
3. Raimundo Colombo é do DEM, de Santa Catarina. Também faturou R$ 15 mil exatos. Curioso é como as notas somam o limite permitido.
4. Eduardo Azeredo, do PSDB de Minas. O inventor do Mensalão.
5. João Claudino, do PTB do Piauí. Aliás, o Piauí é um caso a parte. A Mesa Diretora do Senado tem como 1º secretário um senador do Piauí; como 2º secretário outro senador do Piauí; e como 3º secretário, mais um senador do Piauí.
Isso é que é equilibrio federativo… O resto é besteira.
6. O 6º campeão de despesas foi o senador Fernando Collor, do PTB de Alagoas, ex-presidente da República que dispensa apresentações.