• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:12

Petista do MA ameaça com greve de fome

De Luiz Carlos Azedo, do ‘Correio Braziliense’:
“O líder do governo na Câmara, CândidoVaccarezza (PT), artífice do acordo que levou o deputado Michel Temer(PMDB-SP) à Presidência da Câmara, defende a tese de que o PT não tem do que se queixar do PMDB em relação ao apoio da legenda aliada à candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), a presidenta da República. Muito pelo contrário, quem anda criando problemas para a aliança são os quadros do PT que não subordinam seus projetos pessoais à política de alianças do governo Lula e ao projeto nacional do partido, cuja prioridade é a vitória de Dilma.
Vaccarezza fez essa avaliação no começo da tarde de ontem, no gabinete de líder do governo. Minutos depois, o deputado Domingos Dutra(PT-MA) subiu à tribuna da Câmara para um discurso inflamado contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que teria procurado o presidente Lula para reclamar do apoio do PT do Maranhão à candidatura do deputado Flávio Dino (PCdoB), pré-candidato ao governo do estado. Afinal, a governadora Roseana Sarney (PMDB), que disputará a reeleição, apoia Dilma.
No discurso, Domingos disse que entraria em greve de fome no plenário da Câmara se a executiva nacional do PT, a pedido do presidente Lula, fizer uma intervenção no diretório regional, como seria previsível pelas resoluções adotadas até agora no plano nacional.O parlamentar é um dos fundadores do PT no Maranhão e adversário figadal do clã Sarney”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:11

Sarney está uma arara com o PT

De Ilimar Franco, no Panorama Político:
“Do leito do hospital Sírio Libanês, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disparou telefonemas indignados ontem. Reclamou para quem pôde da decisão do PT do Maranhão, adotada por dois votos, contra o apoio à reeleição da governadora Roseana Sarney e de apoiar a candidatura do deputado Flávio Dino (PCdoB) ao governo.
“Isso não se faz comigo! Tenho apoiado o governo Lula pra valer!”, protestou”.
O curioso disso tudo é que Sarney operou a boca.
E mesmo assim falou pelos cotovelos.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:08

PT do Maranhão rejeita Sarney

Da repórter Kássia Brito, para o ‘Globo’
“O PT do Maranhão, numa votação acirrada, que mostrou a divisão do partido, decidiu apoiar a candidatura ao governo estadual do deputado federal, Flávio Dino (PCdoB). A proposta de apoiar a reeleição da governadora Roseana Sarney (PMDB) foi derrotada no congresso estadual do partido, que reuniu 175 delegados.
A aliança com Dino venceu por 87 a 85.
Membro da Executiva Nacional do PT, Paulo Frateschi, que foi ao Maranhão acompanhar o congresso, com o presidente nacional do partido, José Eduardo Dutra, disse que a decisão de apoiar Dino será respeitada.
O deputado federal Domingos Dutra, contrário à aliança local com o PMDB, disse que a disputa foi um capítulo inusitado na história do partido no Maranhão.
Essa é a primeira vez na história do partido que a gente não está disputando entre petistas, estamos disputando com grupo de fora, com toda chantagem, com uso da máquina.
Não estamos numa disputa interna, mas contra Sarney.
E nós vencemos.
Roseana ofereceu duas secretarias ao PT Para tentar manter os petistas ao seu lado, Roseana havia prometido duas secretarias estaduais ao partido além da já ocupada pelo PT (Trabalho e Economia Solidaria) e o lugar de vice em sua chapa.
Na tentativa de barrar a aliança do PT com o PMDB, a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais na Agricultura (Fetaema) uma das entidades ruralistas da base do PT maranhense que congrega 215 sindicatos no estado editou resolução pregando a aliança com o PCdoB”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:40

PT e PMDB, um namoro difícil

Das repórteres Denise Rothenburg e Flávia Foreque, no ‘Estado de Minas’:
“A desconfiança que se instala entre PT, PMDB e PSB  em alguns estados começa a provocar abalos no castelo de partidos que o presidente Lula pretende arregimentar para a campanha da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência da República. No Pará, por exemplo, onde a governadora Ana Júlia Carepa (PT) é candidata à reeleição, o ex-deputado José Priante (PMDB-PA) resume assim a relação entre os dois partidos: ?É mais fácil um remista passar a torcer para o Paissandu, ou vice-versa, do que o PMDB apoiar a Ana Júlia?, afirma.
A declaração do peemedebista vem carregada pela pura desconfiança que cresce cada vez mais entre os dois partidos. Ana Júlia foi candidata porque em 2006 o deputado Jader Barbalho foi ao presidente Lula e disse que o pré-candidato do PT, Mário Cardozo, não venceria o PSDB. Lula e Barbalho combinaram então que Jader teria um candidato a governador, o PT lançaria Ana Júlia, e no segundo turno, eles estariam juntos.
Ao longo do governo de Ana Júlia, a relação com o PMDB se deteriorou. Há dois meses, no entanto, ela ofereceu a Jader uma das vagas ao Senado. Ocorre que Jader, depois de uma série de consultas ao PT, descobriu que os petistas planejam votar apenas no seu candidato ? o deputado Paulo Rocha, aquele que terminou fora do Congresso em 2006 por conta do escândalo do mensalão ? e, por causa dos antigos escândalos da Sudam, desidratar o candidato do PMDB.
A suspeita levou o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, a chamar Paulo Rocha e Priante para uma conversa em seu gabinete. Até o momento, o acordo não saiu e a perspectiva é de que não sairá.
No Maranhão, a situação não é diferente. PT e PMDB simplesmente não confiam um no outro. Lá, o PT decide no dia 27 se ficará com o aliado histórico, o PCdoB, que tem como candidato a governador o deputado Flávio Dino, ou apoiará a reeleição de Roseana Sarney (PMDB). A disputa será dura e, na hipótese de ficar com Dino, isso pode refletir na campanha presidencial, uma vez que Roseana estendeu o tapete vermelho para Dilma e fechou as portas para Marina Silva, do PV de Sarney Filho, irmão da governadora. Feito isso, agora o PMDB aguarda reciprocidade do PT local. Acredita que não terá.
Desconfiança No Piauí, o clima de desconfiança é entre PT e PSB. Os socialistas esperavam contar com o apoio do PT para eleger o vice-governador Wilson Martins, que ficará no comando do estado quando Wellington Dias deixar o governo para concorrer ao Senado. Ocorre que o PT pretende lançar Antônio José Medeiros, deputado federal, ao governo estadual. Nessa disputa estará ainda o senador João Claudino, outro que tem pretensões de ser governador. Dilma acabará com três palanques e, se pender para o do PT, como alguns acreditam que fará nos estados onde os petistas são candidatos, corre o risco de perder os outros dois.
A desconfiança entre PT e PMDB perdura ainda em Minas Gerais. O máximo que o comando nacional do partido conseguiu arrancar da Executiva Estadual foi um acordo de cavalheiros em que ficou definida a ?vontade política? de ter apenas um nome da base aliada a Lula na corrida pelo governo do estado. O PT insiste em candidatura própria e, no dia 22, abre prazo para que os pré-candidatos se apresentem. Até 5 de abril, quando termina o prazo de inscrição, o presidente do partido, Reginaldo Lopes, espera conseguir um acordo entre Patrus Ananias e Fernando Pimentel para negociar com o PMDB de Hélio Costa”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 1:46

Sarney de olho no seu umbigo

Renata Lo Prete informa que José Sarney (PMDB) aproveitou a viagem de Lula ao Maranhão, na semana passada, “para manifestar preocupação com a eventual candidatura de Ciro ao Planalto. O peemedebista acha que isso daria força ao ex-governador José Reinaldo (PSB), seu desafeto”.
É muita mesquinharia.

  • Sábado, 26 Junho 2010 / 4:28

Mais prejuízo para Serra

Sete candidatos a governador estão ameaçados de terem suas candidaturas impugnadas pela lei da Ficha Limpa.
Caso isso ocorra, José Serra ficará sem palanque em tres Estados, e mais no Distrio Federal. A saber:
1. Rondônia – Expedito Filho.
2. Paraíba – Cassio Cunha Lima.
3. Maranhão – Jackson Lago.
4. Brasília – Joaquim Roriz.

  • Terça-feira, 08 Junho 2010 / 4:24

Serra: perdendo com estratégia

A repórter Malu Delgado, do ‘Estadão’, informa que o candidato José Serra reviu sua estratégia e, terá agora a sua disposição, os palanques de Tasso Jereissati, Jarbas Vasconcelos, Paulo Souto, Teotônio Vilela, João Alves e Jackson Lago, que o “ajudarão a reduzir a vantagem de Dilma Rousseff na região”.
                  * * *
Já que é assim, podem tomar nota.
Serra perderá as eleições no Ceará de Tasso, em Pernambuco de Jarbas, na Bahia de Souto, em Alagoas de Teotônio, em Sergipe de João Alves, e no Maranhão de Jackson Lago.
Aguardem outubro…

  • Terça-feira, 18 Maio 2010 / 4:10

PT tenta acalmar Hélio Costa

De Renata Lo Prete, no Painel da ‘Folha’:
“Apesar da decisão do PT-MG de jogar para 19 e 20 de junho o encontro que supostamente definiria a posição da sigla nas eleições no Estado, a direção nacional já disse ao PMDB que o calendário acertado, com o anúncio do apoio a Hélio Costa em 6 de junho, será cumprido.
O PT inclusive marcou reunião do Diretório Nacional para o dia 12, véspera da convenção que oficializará a candidatura de Dilma. Nesse encontro, a cúpula petista espera referendar situações pendentes nos Estados, como Minas e Maranhão.
Em três Estados, a definição das chapas poderá ficar para a undécima hora: Paraná, Pará e Ceará. No Pará, trata-se de verificar a situação da governadora Ana Júlia nas pesquisas. No Ceará, a questão é o desempenho do ex-ministro José Pimentel (PT), que tenta uma vaga ao Senado na chapa do governador Cid Gomes (PSB)”.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.