• Sábado, 24 Março 2012 / 12:44

Caso Thor está tudo esclarecido

      Por exigencia dos advogados de Thor Batista, o corpo de Wanderson Pereira dos Santos, o ciclista atropelado pela Mercedes SLR MacLaren, só foi sepultado após recolherem o seu sangue.
Como era previsível, sábado à noite, na Baixada Fluminense – imaginem – encontraram 15,5 dg/L (decigramas por litro) de álcool no sangue da vítima.
Segundo o site do UOL, “a concentração de álcool encontrada no sangue de Santos é considerada alta. De acordo com a legislação federal, uma pessoa está inapta para dirigir veículo automotor se tiver mais de 6 dg/l de álcool no sangue”.
Ou seja: o pobre ciclista não estava apto para conduzir, mesmo com o pé esquerdo no chão, a sua possante  bicicleta que insistiu em atravessar em frente a Mercedes SLR MacLaren do jovem Thor.
O álcool encontrado no sangue do ciclista corresponde a cerca de quatro latinhas de cerveja.
                            * * *
Já o exame do bafômetro de Thor é um mistério.
No depoimento que prestou a polícia, Thor refere-se ao bafômetro – teste realizado mais de três horas após  o acidente. No mínimo.
Segundo Thor, ele não procurou nem foi removido para nenhum hospital. Ele foi para sua casa, onde encontrou-se com o advogado Flavio Godinho e seu pai.
Diz Thor:
“Verificando que a grande quantidade de sangue que estava em seu corpo era da vítima e que seus ferimentos apararentemente não eram graves, decidiu retornar ao local do acidente”, certamente atendendo a recomendação do advogado.
Afinal, ele não tinha nada o que fazer no local.                   
Do posto de pedágio na Rio-Petrópolis até a sua casa, na Zona Sul do Rio, sábado à noite, Thor deve ter demorado pelo menos uma hora. Mais uma hora para conversar com o pai e o advogado, tomar banho e mudar de roupa, e mais uma hora para voltar ao local do acidente…
Continua Thor:
“Que no regresso após passar pelo pedágio havia um posto da Polícia Rodoviária Federal, onde seu motorista e segurança Heraldo decidiu parar e em contato com os policiais solicitou que fosse realizado o teste do bafômetro, que assim foi feito, sendo realizado o exame no declarante e o seu colega Vinicius, sendo que o resultado foi negativo” – o que é obvio.
Ninguém duvide que antes do teste oficial, Thor tenha feito um teste caseiro.
Mas o estranho é que o exame foi feito a pedido do segurança de Thor, e não por iniciativa dos policiais. E mais estranho ainda foi fazer o mesmo exame no amigo carona que, imagina-se, nada teve a ver com o acidente. Nem ao menos conversando ele estava.
Sendo assim, fica tudo esclarecido.
                           * * *
Para finalizar:  foi encontrada uma lata de cerveja no parabrisa da Mercedes SLR MacLaren, que “provavelmente seria da vítima”.                      
                           * * *
Conta a lenda que, nos anos 50, um milionário norte-americano dirigia seu conversível numa estrada do Alabama, quando dois jovens negros tiveram a petulância de atravessar na frente de seu automóvel.
O primeiro foi arremessado a mais de 150 metros de distância; o segundo quebrou o parabrisa e acomodou-se no banco do carona.
No final, os dois negros foram processados.
O primeiro por ter fugido do local do crime.
O segundo por ter invadido propriedade alheia.

  • Quarta-feira, 21 Março 2012 / 18:48

Eike está cheio de problemas

     Thor Batista depôs hoje na delegacia de polícia, de Xerém, e deu a sua versão para o acidente da Mercedes SLR MacLaren que ele dirigia, no sábado, e que provocou o atropelamento e morte de um ciclista.
Segundo o advogado do jovem Thor, Celso Villardi, o caso só teve repercussão pelo fato dele ser filho de Eike Batista. “Se ele nao fosse filho de quem é, é provável que esse caso não tivesse tanta repercussão. Pelo que se sabe, esse tipo de acidente acontece com muita frequência nesta rodovia”.
É verdade. Assim como também é verdade que se Thor não fosse filho de quem é,  o doutor Celso Villardi não teria sido contratado, juntamente com outros dois advogados, para tratar de um atropelamento que, para ele, é coisa banal - devido a sua frequencia naquele local.
                                        * * *
Aliás, não é só o doutor Villardi que está cuidando desse caso.
O homem mais rico do país decidiu contratar o advogado mais caro do país, Marcio Thomaz Bastos, para supervisionar toda a investigação e eventual processo criminal, segundo informou Kid Jansen, no blog ‘Pra Discutir o Brasil’.
Jansen lembra que Thomaz Bastos, ministro da Justiça de Lula, já foi “advogado do próprio Eike numa operação conduzida pela PF contra ele. Graças a essa contratação, ele não foi preso, ao contrário de outros alvos recentes da policia federal”.
                                        * * *
Segundo o site de notícias iG, “questionado a respeito dos 51 pontos que Thor teria na carteira em razão de ter cometido infrações, Villardi afirmou que o cliente comprou e se desfez de vários carros nos últimos anos e que as multas poderiam ser de outras pessoas que usaram os mesmos veículos. Sobre isso, acrescentou que motoristas e seguranças dirigiam mais vezes os carros do cliente do que o próprio Thor”.
É possível que aí tenha alguma verdade.
Mas existem alguns senões:
1 – Seu cliente pode ter comprado e vendido “vários carros nos últimos anos”, mas o que está em jogo são os ultimos 18 meses e não os últimos anos.
2 – É óbvio que a multa por excesso de velocidade, quando registrada por radar – os populares pardais – é lançada contra o veículo, já que não se sabe quem está dirigindo o carro. Mas se não era Thor quem dirigia, por que ele não redirecionava as multas para os verdadeiros responsáveis pelas infrações? Esse é normal. Todo mundo faz isso.  Se quem dirigia seus carros eram seus seguranças, isto quer dizer que Thor está cercado de maus elementos? Isso parece um absurdo e seria um exagero se fazer um afirmação desse tipo.
3 – Outro fato mais importante ainda. Quantos pontos de infração tem o Mercedes SLR MacLaren envolvido no desastre? Ninguém compra um carro que pode correr até  334 km/h para andar a 60/70 km/h na cidade. Seria um desperdício gastar mais de R$ 2,7 milhões com o brinquedo, ja que é proibido brincar. Só esse carro, deve ter mais do que 51 pontos em infrações  e, certamente, Eike nunca o entregou  a nenhum segurança. Portanto, todas as multas do Mercedes SLR MacLaren são do próprio Eike ou de seu filho Thor.
4 – Alguém sabe qual a placa do carro envolvido na tragédia? Será que nem isso a polícia pode informar?
5 – Finalmente. Pela quantidade de policiais, advogados, familiares da vitima, testemunhas, peritos, facilitadores, complicadores, etc, envolvidos nesse caso, é possível que Eike tenha que gastar, para que tudo fique a contento, mais de uma Mercedes SLR MacLaren.
Nova. Zero quilômetro…

  • Terça-feira, 20 Março 2012 / 19:51

O que Thor Batista não explicou

        

         O jovem Thor Batista, responsável pela morte do ciclista Wanderson Pereira dos Santos, 30 anos, sábado à noite, na BR-040, na altura de Xerém, publicou a seguinte nota no Twitter:
       “Descia a BR-040 após um almoço com amigos, coisa que faço uma vez por mês. No restaurante Clube do Filet em Itaipava. Durante todo o trajeto, a velocidade do veiculo SLR McLaren permaneceu dentro dos limites da lei, realizei ultrapassagens.
Perto do local do acidente, não tem iluminação, por isso utilizava o farol alto, farol de milha e farol de neblina. Trafeguei por ali cerca de seis vezes dentro de 1 ano, estava consciente que frequentemente ciclistas atravessam a faixa dupla da autoestrada.
Vinha na faixa esquerda com muito cuidado, sem ao menos dialogar com o meu carona, repentinamente um ciclista atravessou do acostamento do lado direito até o meio da faixa da esquerda, onde trafegam veículos. Minha imediata reação foi aplicar forca total nos freios do carro, segurando o volante reto, mas infelizmente foi impossível evitar a colisão.
Me recordo que Wanderson empurrava a bicicleta com o pé esquerdo no chão.
Sentado, porém, no banco da bicicleta. A frenagem trouxe o carro de 100 km/h até 90 km/h até o momento da colisão apenas, infelizmente. Eu conduzo carros com transmissão automática com um pé no acelerador e outro no freio, o que possibilita uma reação muito mais rápida.
Após a colisão, a pressão no pedal do freio continuava, trazendo o veiculo ate 20 km/h. Meu dever era levar o veículo ate o acostamento. O forte impacto quebrou o para-brisa, provocando cortes no meu corpo e impossibilitando a minha visão. Abri, então, a porta do motorista, botei a cabeça para fora do carro e conduzi o veiculo até um local seguro, evitando outra colisão.
Estacionei o carro longe da colisão, diria que 200 metros de distância. Liguei o pisca alertas e com o auxílio de outros consegui sair. Estava com dores no corpo, com muito sangue no corpo, tremendo de nervosismo, traumatizado. Nunca tinha sofrido um acidente.
Por estes motivos, eu estava fisicamente, psicologicamente e emocionalmente INCAPACITADO de prestar socorro ao Wanderson. Outros motoristas vieram me auxiliar. Pedi para que os mesmos chamassem ambulância urgentemente e prestassem socorros, já que eu tive que ser levado urgentemente ao posto médico do pedágio a 3 km de distancia da colisão, pois sangrava muito e estava atordoado.
Ainda no carro a caminho do posto médico, liguei para uma das pessoas que se responsabilizou por prestar socorros a Wanderson. Pois queria muito saber o estado da vítima. Fui informado que a ambulância já estava no local da colisão e havia constatado, infelizmente que a Wanderson Pereira dos Santos havia falecido. Fiquei sem reação no momento.
Chegando no posto medico da CONCER, ao lado do pedágio, os enfermeiros me levaram para dentro de uma ambulância. Cuidaram primeiro do carona, que suspeitava ter fraturado a mão. Na minha vez, ele constatou que eu precisava ir até um hospital urgentemente.
Pedi ao menos para que o enfermeiro jogasse soro no meu braço direito, todo cortado, antes de partir
.”
                                * * *
1. É difícil imaginar que Thor estivesse dirigindo a uma velocidade de apenas 100km/h. Quem conhece a região, sabe que o local do acidente é o primeiro retão após a descida da Serra de Petrópolis. Se ele não gostasse de velocidade, por que então possuir um carro que alcança 334km/h e que consegue atingir os primeiros 100km/h em apenas 3,8 segundos? Aliás, todas as nove multas de Thor dizem respeito a excesso de velocidade.
2. Diz Thor que todo mes vai almoçar com os amigos e que, no ultimo ano, passou por ali seis vezes. Se foi 6 vezes em 12 meses, deveria ser mais preciso e dizer que sobe a serra a cada dois meses.
3. Segundo ele, “perto do local do acidente, não tem iluminação, por isso utilizava o farol alto, farol de milha e farol de neblina”. Com todos esses faróis acessos em um carro cujo valor supera os R$ 2,7 milhões, não se pode falar em escuridão. E pior. Diz ele: “Estava consciente que frequentemente ciclistas atravessam a faixa dupla da autoestrada”. Se isso é verdade, a velocidade por menor que fosse,  era excessiva, já que é normal que pedestres irresponsáveis, são capazes de cruzar a pista, mesmo quando avistam um bólido super iluminado.
4. Mas Thor declara que viu a vítima à distância, pois dá detalhes: “Me recordo que Wanderson empurrava a bicicleta com o pé esquerdo no chão. Sentado, porém, no banco da bicicleta…” Ora, quem está numa biclicleta com o pé no chão, não estava andando de bicicleta, está parado.
5. Diz ele: “A frenagem trouxe o carro de 100 km/h até 90 km/h até o momento da colisão apenas”. Então os freios não responderam?   “Após a colisão, a pressão no pedal do freio continuava, trazendo o veiculo até 20 km/h. Meu dever era levar o veículo até o acostamento. O forte impacto quebrou o para-brisa, provocando cortes no meu corpo e impossibilitando a minha visão. Abri, então, a porta do motorista, botei a cabeça para fora do carro e conduzi o veiculo até um local seguro, evitando outra colisão. Estacionei o carro longe da colisão, diria que 200 metros de distância”. Então quando se está a 100 km/h e se pisa forte do freio de uma Mercedes SLR McLaren, só se consegue reduzir a velocidade para 20km/h  200 metros mais adiante? É inacreditável. Outro detalhe: e se o para-brisa não tivesse quebado? O que Thor teria feito?
6. “Vinha na faixa esquerda com muito cuidado, sem ao menos dialogar com o meu carona”… O fato de não estar conversando com o amigo, não quer dizer que estivesse atento e muito menos respeitando o limite de velocidade. Isso que dizer apenas que ambos não tinham o que falar naquele momento. “Repentinamente um ciclista atravessou do acostamento do lado direito até o meio da faixa da esquerda, onde trafegam veículos”. Será possível acreditar que um sujeito, em uma bicicleta, com o pé no chão, praticamente a empurrado, seja veloz o suficiente para sair do acostamento a direita, atravessar a primeira pista e insistir em atravessar a segunda pista, mesmo vendo um carro com os faróis alto, de neblina e de milha acessos? Seria o ciclista um suicida?
7. O mais ridículo de toda a nota: “Eu conduzo carros com transmissão automática com um pé no acelerador e outro no freio, o que possibilita uma reação muito mais rápida”. Isso não é mentira. É ignorância. Carro automático dirige-se apenas com o pé direito, que serve tanto para o acelerador quanto para o freio. Quando se usa os dois, corre-se o risco de pisar em ambos ao mesmo tempo, principalmente num momento de horror pelo qual passou o jovem Thor. Se ele não tirou o pé do acelerador, o carro continuou em velocidade, tanto que se pode conduzi-lo com o freio de mão acionado. Se é verdade que ele dirige com os dois pés, isso é de um burrice infinita.
8. Diz Thor: “Eu estava fisicamente, psicologicamente e emocionalmente INCAPACITADO de prestar socorro ao Wanderson”, o que é normal. “Outros motoristas vieram me auxiliar. Pedi para que os mesmos chamassem ambulância urgentemente e prestassem socorros, já que eu tive que ser levado urgentemente ao posto médico do pedágio a 3 km de distancia da colisão, pois sangrava muito e estava atordoado”. Outros motoristas no caso eram os seus seguranças. Por que eles não foram antender o ciclista? É compreensivel Thor estivesse atordado. Mas e a vítima?
9. “Ainda no carro a caminho do posto médico, liguei para uma das pessoas que se responsabilizou por prestar socorros a Wanderson. Pois queria muito saber o estado da vítima. Fui informado que a ambulância já estava no local da colisão e havia constatado, infelizmente que a Wanderson Pereira dos Santos havia falecido”. Fica claro que Thor seguiu até o posto médico em um carro particular, e não em uma ambulância. E se telefonou para “uma das pessoas que se responsabilizou por prestar socorro” é porque conhecia o numero do telefone. Atordoado e sagrando não registraria telefone algum.
10. No posto do CONCER, “ele (o enfermeiro) constatou que eu precisava ir até um hospital urgentemente. Pedi ao menos para que o enfermeiro jogasse soro no meu braço direito, todo cortado, antes de partir”. Mas para onde Thor foi conduzido? Qual o hospital que o atendeu? O que ele conhece de primeiros socorros para pedir que lhe jogassem soro no braço cortado?
11. Por que Thor não foi a delegacia prestar depoimento?
12. Por que não foi realizado o exame de bafômetro?
13. Por que o carro foi liberado antes que fosse realizada a perícia?
                                          * * *
Uma curiosidade publicada hoje no blog Programa Conexão:
“A Mercedes Mclaren de R$ 2.7 milhões era o grande orgulho do bilionário e era tratado como obra de arte por Eike(…) tanto que o bilionário o guarda na sala de sua mansão, e não na garagem”.
                                           * * *
Agora duas pérolas de Eike Batista em entrevista a colunista Mônica Bergamo, da ‘Folha’:
“Me ligaram dizendo “aconteceu um acidente com o seu filho”. É horrível. Comentaram que tinha uma vítima.
Aí a gente fica mais apavorado. Tudo passa pela cabeça.
Você liga o dispositivo de administração de crise.
Começa a ligar, a se informar. Os seguranças do Thor me contaram o que tinha acontecido. Logo em seguida, ele me ligou. Aí foi um espetáculo, né?”
Tem mais:
“O triste é que as pessoas acham que a arma letal é o carro. O pedestre, no lugar errado, se torna a arma letal para quem está dentro do carro”.

  • Quarta-feira, 29 Fevereiro 2012 / 12:28

Para a Dra. Eliana Calmon investigar

     Do colunista do iG, Jorge Felix:
     “O serviço de informática da Justiça Federal do Rio de Janeiro, até o fim da noite de ontem, havia sumido com as petições do processo judicial de embargo do Porto do Açu, obra de Eike Batista, no sistema de tramitação eletrônica da corte.
O apagão dificulta que as partes acompanhem o caso no tribunal e deixam os advogados sob risco de perderem prazos de contestação. Os advogados dos moradores que sofreram com as desapropriações em São João da Barra aguardam para hoje a normalização do sistema.
O fato já havia ocorrido antes. O tribunal demorou seis dias para cadastrar o processo e as petições, na semana passada, apareciam e sumiam de uma hora para outra. Os funcionários informaram aos advogados que desconheciam a causa do problema”.

  • Quarta-feira, 18 Agosto 2010 / 10:18

Dinheiro que sai, dinheiro que entra

     Eike Batista gastou, em um leilão beneficente, R$ 500 mil para arrematar o terno com que o Presidente Lula tomou posse em 2003. No final da noite ainda doou mais R$ 2 milhões para o programa Escola do Povo, dirigido por um ONG na favela de Paraisópolis, em São Paulo.
Pouco antes, Eike recebeu a notícia que o Hotel Glória, adquirido por ele, receberá R$ 146.500.000,00 do BNDES. Ele está incluído no programa da Copa do Mundo.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:30

Eike passa por dificuldades

Eike Batista decidiu cancelar o plano de abrir o capital do Grupo EBX, depois que a venda de ações da OSX Brasil, no mês passado, levantou US$ 3,9 bilhões a menos que o esperado.
“Não existe possibilidade hoje de abrirmos o capital da EBX. O valor de mercado total de nossas empresas está agora em US$ 44 bilhões. Antes de chegarmos a U$100, 120 bilhões, não vamos fazer a abertura de capital.”
Nas quatro ofertas iniciais que Eike fez de suas ações, elas ficaram abaixo da faixa esperada.
                       * * *
Tadinho dele.
                        * * *
Deve ser por isso que o empresário – que pagou US$ 7 milhões para jantar com Madonna – não deu até agora nem um centavo para as vítimas das enchentes do Rio de Janeiro, cidade em que ele reside e onde estão sediadas as suas empresas.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:26

China não brinca em serviço

A assessoria do Presidente da China, Hu Jintao, trabalha de verdade. E com competência.
Por isso ele não irá ao porto de Açu - como seu proprietário Eike Batista havia anunciado com alarde, em Nova York.
Como visitar uma obra que há pouco foi embargada pela Justiça?

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:56

Eike, a bolsa e a Lagoa

Eike Batista estreiou ontem na Bolsa de Valores de São Paulo.
As ações da OSX, quinta empresa do homem mais rico do país, teve uma queda de 12,5% no dia em que ele abriu seu capital – o quatro pior resultado entre os papéis negociados na Bovespa.
A ação começou valendo R$ 800,00 e fechou a R$ 700,00.
Contra Eike existe a máxima que suas empresas so vendem idéias.
Segundo ele, “essa crítica, que todo mundo faz, é um vento que, lá na frente, vai gerar muito ouro. Isso é o que as pessoas têm de entender”, disse ele.

          * * *

Por falar em Eike, ele diz que doou R$ 28 milhões para a despoluição da Lagoa Rodrigo de Freitas.
Seria bom que ele falasse a quem entregou o dinheiro.
Pelo o que se sabe, o que ele deu, até o momento, não chega nem a 10% do que foi prometido.
Ou seja: deu mais para Madonna do que para a Lagoa.
E só para lembrar: zero para o Haiti.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:27

A mortandade dos peixes

 No final do ano passado, a taróloga Annie Bravo, em entrevista ao JB, previu que um chicote cósmico iria se abater sobre Sergio Cabral durante todo o ano de 2010.
E não tem dado outra.
O chicote vem castigando o governador desde o primeiro dia do ano, quando houve a tragédia em Angra, e ele ficou dormindo em Mangaratiba, sem atender, nem ao menos, um telefonema do Presidente da República.
De lá pra cá, existem inúmeros exemplos onde o chicote cósmico funcionou: na política, na administração e até mesmo no Carnaval.
Mas a mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas, que a população imaginava ser um assunto já morto - sem trocadilhos – voltou a chicotear agora, não só o governador, mas todos que o cercam.
1 ? Eduardo Paes ? Combate com rigor o cheiro de urina nas ruas na cidade, e não consegue esconder a fedentina da Lagoa, com toneladas e toneladas de peixes mortos. Chama o carioca de porcalhão, e vê emporcalhada uma das paisagens mais bonitas do Rio.  Gasta uma fortuna com a Comlurb na retirada dos peixes, e vai ter de pagar essa conta sózinho. Instituiu o Choque de Ordem que prende, bate, multa e esfola, mas não consegue mandar nos peixes da Lagoa, que insistem em morrer.
2 ? Marilene Ramos ? A bonita, elegante, simpática e risonha secretária estadual de Meio Ambiente, minimizou a mortandade de peixes, e disse que seriam no máximo 500 quilos. Ontem, a Comlurb retirou 12,5 toneladas, e hoje deve mais do que dobrar. Em 2005, morreram 4 toneladas de peixes. Dessa vez a quantidade será, no mínimo, dez vezes superior. A bela Marilene não é mesmo boa de previsão, vide o que ocorreu em Angra. Ela foi consultora da prefeitura.
3 ? Wagner Victer ? O marqueteiro da Cedae, mudou o nome do órgão para Nova Cedae, para dizer que não tinha nada a ver com o passado da empresa. Mas para quem precisa de seus serviços, a Cedae só fez piorar desde que Victer assumiu a presidência. E não é por falta de dinheiro. O Governo Federal já deu o diabo para ele melhore o sistema de águas e esgostos do Estado. Mas de novo, só o escritório da Barra, decorado com fotos de mulatas. Como gosta de holofotes, iluminou a Estação Alegria ? que iria despoluir o entorno da Ilha do Governador, onde ele reside. Nesses três anos a frente da Cedae, Victer passa pelo local duas vezes por dia. Pela manhã vê a obra parada. A noite se deslumbra com ela iluminada.
4 ? Fatima Freitas ? Essa, tadinha, está tendo os seus 15 minutos de fama. Ela gerencia o departamento que cuida da qualidade da água na Secretaria de Marilene. E declarou ao ‘Globo’ que as savelhas morreram pois são sensíveis à mudanças de temperatura. Como se peixe não gostasse de água fria. Ou pior: se água, seja
qual for a sua temperatura, tenha o poder de fazer com que os peixes morram afogados. Era só o que faltava.
5 ? Eike Batista ? Esse é uma grande vítima, e é quem Sergio Cabral mais teme, principalmente âs vésperas de uma eleição. Afinal Bati$ta pagou R$ 28 milhões para que episódios como esse não mais se repetissem. E vê agora o seu dinheiro ir parar nas caçambas de lixo da Comlurb. Ele, que continua na guerra para
juntar 100 bilhões de dólares, não deu um único tostão para o Haiti e recusou-se a acudir a ABL. Mas cuidava do seu entorno, não só porque é lá que ele tem o seu restaurante, mas também porque queria explorar os quiosques da Lagoa. 
6 ? Sergio Cabral ? O governador deveria ser poupado nesse episódio. Afinal o que ele fez?
Nada.
O mesmo que os peixes queriam estar fazendo: nada.
Mas eles continuam morrendo, graças ao trabalho das autoridades do governo: arrogantes, desleixadas e despreparadas. Iguaizinhas ao chefe.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:07

Marchinhas imortais para a 3ª feira Gorda de Carnaval

De Sergio Cabral para Dilma Rousseff:
Não se perca de mim
Não se esqueça de mim
Não desapareça
Que a chuva tá caindo
E quando a chuva começa
Eu acabo perdendo a cabeça
Não saia do meu lado
Segure o meu pierrot molhado
E vamos embolar ladeira abaixo
Acho que a chuva ajuda a gente a se ver
Venha veja deixa beija seja
O que Deus quiser
A gente se embala se embola se embola
Só pára na porta da igreja
A gente se olha se beija se molha
De chuva suor e cerveja

Ainda para Sergio Cabral cantar, em breve,  para Dilma Rousseff:
Covarde eu sei que me podem chamar,
Porque não calo no peito esta dor,
Atire a primeira pedra , ai, ai, ai,
Aquele que não sofreu por amor.(Covarde não sou)
Eu sei que vão censurar, o meu proceder,
Eu sei mulher, que você mesma vai dizer,
Que eu voltei pra me humilhar,
Mas não faz mal,
Você pode até sorrir,
Perdão, foi feito pra gente pedir.

Do vice do Rio, Luiz Fernando Pezão, o único do governo Cabral fiel a Dilma Rousseff:
Não quero broto, não quero,
Não quero não,
Não sou garoto
Pra viver mais de ilusão,
Sete dias da semana,
Eu preciso ver,
Minha balzaqueana.

Do deputado Fernando Gabeira ao se decidir pela candidatura ao governo do Rio:
Lá em casa tem um bigorrilho,
Bigorrilho fazia mingau,
Bigorrilho foi quem me ensinou,
A tirar o cavaco do pau,
Trepa Antonio, siri tá pau,Par
Eu também sei tirar,
O cavaco do pau.

Melô do ministro Carlos Minc:
Olha a cabeleira do Zezé
Será que ele é
Será que ele é
Será que ele é bossa nova
Será que ele é Maomé
Parece que é transviado
Mas isso eu não sei se ele é
Corta o cabelo dele!
Corta o cabelo dele!

Melô de Paris Hilton no camarote da Cerveja Devassa:
Chiquita bacana lá da Martinica
Se veste com uma casca de banana nanica
Não usa vestido, não usa calção
Inverno pra ela é pleno verãoPaulo
Existencialista com toda razão
Só faz o que manda o seu coração.

Do  governador de Brasília, em exercício, Paulo Octavio, para a Polícia Federal:
Bandeira branca amor
Não posso mais
Pela saudade que me invade
Eu peço paz
Saudade mal de amor de amor
Saudade dor que dói demais
Vem meu amor
Bandeira branca eu peço paz
 
Ó Abre-Alas, por José Serra
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Eu sou da lira não posso negar
Eu sou da lira não posso negar
Ó Abre-Alas por Dilma Rousseff
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Rosa de ouro é que vai ganhar

Brasileiros nesse verão:
Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô
Mas que calor, ô ô ô ô ô ô
Atravessamos o deserto do Saara
O sol estava quente
Queimou a nossa cara

Para Cabral cantar na última semana de dezembro:
Ai, ai, ai ai, ai ai ai,está chegando a hora
O dia já vem raiando, meu bem, eu tenho que ir embora

Da candidata Marina Silva:
Ê ê ê ê ê índio quer apito
Se não der pau vai comer
Lá no Bananal mulher de branco
Levou pra índio colar esquisito
Índio viu presente mais bonito
Eu não quer colar
Índio quer apito

Sergio Cabral e Eduardo Paes, de mãos dadas.
SC – Joujoux, joujoux?
EP – Que é meu balagandã?
SC – Aqui estou eu
EP – Aí estás tu
SC – Minha joujoux
EP – Meu balagandã
SC – Nós dois, depois
EP – O sol do amor que manhãs
SC – De braços dados
EP – Dois namorados
SC – Já sei Joujoux
EP – Balagandãs
SC – Seja em Paris
EP – Ou nos Brasis
SC – Mesmo distantesA
EP – Somos constantes
SC – Tudo nos une
EP – Que coisa rara
SC e EP – No amor nada nos separa

Do presidente da Cedae, Wagner Victer:
Lata d’água na cabeça
Lá vai Maria
Lá vai Maria
Sobe o morro e não se cansa
Pela mão leva a criança
Lá vai Maria
De Ancelmo Góes e Wagner Victer:
Branca é branca preta é preta
Mas a mulata é a tal, é a tal!
Branca é branca, preta é preta
Mas a mulata é a tal, é a tal!
Quando ela passa todo mundo grita:
“Eu tô aí nessa marmita!”
Quando ela bole com os seus quadris
Eu bato palmas e peço bis
Ai mulata, cor de canela!
Salve salve salve salve salve ela!

A melô do Chávez:
Daqui não saio
Daqui ninguém me tira
Onde é que eu vou morar
O senhor tem paciência de esperar
Inda mais com quatro filhos
Onde é que vou parar

De deputado Michel Temer para a ministra Dilma Rousseff:
Eu perguntei a um mal-me-quer
Se meu bem ainda me quer
Ela então me respondeu que não
Chorei,
Mas depois eu me lembrei
Que a flor também é uma mulher
Que nunca teve coração…
A flor mulher, iludiu meu coração
Mas, meu amor
É uma flor ainda em botão
O seu olhar
Diz que ela me quer bem
O seu amor
É só meu de mais ninguém,

Do trio ?Os Espertalhões?:  Wilson Carlos, Julio Lopes e Sergio Côrtes:
Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar!
Dá a chupeta, dá a chupeta, ai, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar!

Da subsecretária do Cerimonial do Palácio Guanabara, Adriana Novis, campeã de diárias no exterior:

Maria Candelária
É alta funcionária
Saltou de páraquedas
Caiu na letra “O”, oh, oh, oh, oh
Começa ao meio-dia
Coitada da Maria
Trabalha, trabalha, trabalha de fazer dó oh, oh, oh, oh
A uma vai ao dentista
As duas vai ao café
Às três vai à modista
Às quatro assina o ponto e dá no pé
Que grande vigarista que ela é.

Melô de Sergio Cabral sempre que encontra alguém da área federal:
Ei, você aí!
Me dá um dinheiro aí!
Me dá um dinheiro aí!
Não vai dar?
Não vai dar não?
Você vai ver a grande confusão
Que eu vou fazer bebendo até cair
Me dá me dá me dá, ô!
Me dá um dinheiro aí!

Do governador José Serra. No Carnaval passado, esse marchinha foi cantada pelo ex-governador Arruda:
Nós, nós os carecas
Com as mulheres somos maiorais
Pois na hora do aperto
É dos carecas que elas gostam mais.

Também da dupla Ancelmo Gois e Wagner Victer:
Mulata bossa nova
Caiu no hully gully
E só dá ela
Ê ê ê ê ê ê ê ê
Na passarela
A boneca está
Cheia de fiufiu
Esnobando as louras
E as morenas do Brasil.

Esse samba mais parece um samba-enredo, devido a infinidade de compositores associados a ele.  Mas à frente vai o ministro do Esporte, Orlando Silva:
Lá vem o cordão dos puxa-saco
Dando viva aos seus maiorais
Quem está na frente é passado para trás
E o cordão dos puxa-saco
Cada vez aumenta mais

De boa parte dos moradores do Rio de Janeiro para o presidente da Cedae:
Tomara que chova,
Três dias sem parar,
Tomara que chova,
Três dias sem parar.
A minha grande mágoa,
É lá em casa
Não ter água,
E eu preciso me lavar.

Sergio Cabral, Eduardo Paes e José Gomes Temporão – os três de mãozinhas dadas:
UPA, UPA, UPA,
Cavalinho alazão
ê ê ê
Não faça assim comigo não
Lá vai o meu trolinho
Vai rodando de mansinho
Pela estrada além
Vai levando pro seu ninho
Meu amor, o meu carinho
Que eu não troco por ninguém
UPA, UPA, UPA
Cavalinho alazão…

Marchinha que FHC adorava cantar no exterior:
Yes, nós temos bananas
Bananas pra dar e vender
Banana menina tem vitamina
Banana engorda e faz crescer
Vai para a França o café, pois é
Para o Japão o algodão, pois não
Pro mundo inteiro, homem ou mulher
Bananas para quem quiser.

De Cabral para Madonna:
Garota você é uma gostosura
Foi proibida
Pela censura
Sai de perto de mim
Olhar pra você eu não posso
Me segura que eu vou ter um troço
Me segura que eu vou ter um troço
Me segura que eu vou ter um troço
Me segura que eu vou ter um troço.

Do candidato José Serra para o deputado Fernando Gabeira:
Meu periquitinho verde
Tire a sorte por favor
Eu quero resolver
Este caso de amor
Pois se eu não caso
Neste caso eu vou morrer

Do milionário Eike Batista:
Lá vem o seu China
Na ponta do pé
Lig lig lig lig lig lig lé!
Dez tões, vinte pratos
Banana e café
Lig lig lig lig lig lig lé!
Chinês
Come somente uma vez por mês
Não vai
Mais à Xangai
Buscar a Butterfly
Aqui, com a morena
Fez a sua fé
Lig lig lig lé!

Do ex-governador Garotinho para a secretária Benedita da Silva:
Esta mulher
Há muito tempo me provoca
Dá nela! Dá nela!
É perigosa
Fala mais que pata choca
Dá nela! Dá nela!
Fala, língua de trapo
Pois da tua boca
Eu não escapo
Agora deu para falar abertamente
Dá nela! Dá nela!
É intrigante
Tem veneno e mata a gente
Dá nela! Dá nela!

Da presidente do PSOL, Heloisa Helena, para o deputado Chico Alencar:

Encontrei o meu pedaço na Avenida
De camisa amarela
Cantando a Florisbela, oi, a Florisbela
Convidei-o a voltar pra casa
Em minha companhia
Exibiu-me um sorriso de ironia
Desapareceu no turbilhão da Galeria
Não estava nada bom
O meu pedaço na verdade
Estava bem mamado
Bem chumbado, atravessado
Foi por aí cambaleando
Se acabando num cordão
Com um reco-reco na mão
Mais tarde o encontrei
Num café zurrapa
Do Largo da Lapa
Folião de raça
Bebendo o quinto copo de cachaça
Isto não é chalaça

De Ciro Gomes para Lula:
Eu não sou água,
Pra me tratares assim,
Só na hora da sede,
É que procuras por mim,
A fonte secou,
Quero dizer que entre nós,
Tudo acabou.
Seu egoísmo me libertou,
Não deves mais me procurar,
A fonte do nosso amor secou,
Mas os seus olhos,
Nunca mais hão de secar.

Do senador Tião Viana para José Sarney, Renan Calheiros, Jader Barbalho, etc, etc, etc
A coroa do Rei,
Não é de ouro nem de prata,
Eu também já usei,
E sei que ela é de lata.
Não é ouro nem nunca foi,
A coroa que o Rei usou,
É de lata barata,
E olhe lá… borocochô
Na cabeça do Rei andou,
E na minha andou também,
É por isso que eu digo,
Que não vale um vintém.

Para Sergio Cabral cantar em breve para Jorge Picciani. Ou vice-versa:
Você partiu,
Saudades me deixou,
Eu chorei,
O nosso amor, foi uma chama,
O sopro do passado desfaz,
Agora é cinza,
Tudo acabado e nada mais!
Você,
Partiu de madrugada,
E não me disse nada,
Isso não se faz,
Me deixou cheio de saudade,
E paixão,
Não me conformo,
Com a sua ingratidão.

Criação coletiva começando com o ex-ministro José Dirceu:
Agora vou mudar minha conduta
Eu vou pra luta
Pois eu quero me aprumar
Vou tratar você com força bruta
Pra poder me reabilitar
Pois esta vida não está sopa
E eu pergunto com que roupa?
Com que roupa que eu vou?
Pro samba que você me convidou
Com que roupa eu vou?
Pro samba que você me convidou

Prossegue com o ex-governador José Roberto Arruda:
Agora eu não ando mais fagueiro
Pois o dinheiro
Não é fácil de ganhar
Mesmo eu sendo um cabra trapaceiro
Não consigo ter nem pra gastar
Eu já corri de vento em popa
Mas agora com que roupa?
Com que roupa que eu vou?
Pro samba que você me convidou
Com que roupa eu vou?
Pro samba que você me convidou

Finaliza com o prefeito Lindberg Farias, o Lindinho:
Eu hoje estou pulando como sapo
Pra ver se escapo
Desta praga de urubu
Já estou coberto de farrapo
Eu vou acabar ficando nu
Meu paletó virou estopa
Eu nem sei mais com que roupa?
Com que roupa que eu vou?
Pro samba que você me convidou
Com que roupa eu vou?
Pro samba que você me convidou

De Sergio Cabral para Madonna:
Lourinha, lourinha
Dos olhos claros de cristal
Desta vez em vez da moreninha
Serás a rainha do meu carnaval
Loura boneca
Que vens de outra terra
Que vens da Inglaterra
Ou que vens de Paris
Quero te dar
O meu amor mais quente
Do que o sol ardente
Deste meu país

Melô do xerife Rodrigo Betlhem, do Choque de Ordem:
Vém cá “seu” guarda
Bota pra fora esse moço
Que está no salão brincando
Com pó-de-mico no bolso.
Foi ele, foi ele sim,
Foi ele que jogo o pó em mim.

Do ex-prefeito Cesar Maia:
Tristeza
Por favor vai embora
A minha alma que chora
Está vendo o meu fim
Fez do meu coração
A sua moradia
Já é demais o meu penar
Quero voltar aquela
Vida de alegria
Quero de novo cantar
la ra rara, la ra rara
la ra rara, rara
Quero de novo cantar

Marchinha que Michel Temer adoraria cantar para Henrique Meirelles:
Oh jardineira
Porque estás tão triste
Mas o que foi que te aconteceu?
Foi a camélia
Que caiu do galho
Deu dois suspiros
E depois morreu
Vem jardineira
Vem meu amor
Não fique triste
Que este mundo é todo teu
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu.

Da ex… deixa pra lá:
Maria Sapatão
Sapatão, Sapatão
De dia é Maria
De noite é João

A melô do blog:
Quem é você que não sabe o que diz
Meu Deus do céu, que palpite infeliz…

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.