• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:08

Alckmin dispara em São Paulo

Do repórter Fernando Canzian, na ‘Folha’:
“No primeiro levantamento do Datafolha em 2010 para avaliar as intenções de voto para o governo de São Paulo, o ex-governador tucano Geraldo Alckmin aparece disparado à frente de potenciais adversários nos cenários pesquisados.
No cenário mais favorável ao ex-governador, Alckmin tem 53% das intenções de voto, o que poderia lhe garantir uma vitória no primeiro turno.
A pesquisa alternou os nomes de Aloizio Mercadante e Eduardo Suplicy como candidatos do PT e incluiu ou não um candidato pelo PSB.
No cenário em que Alckmin aparece com 53%, Mercadante tem 13%, Celso Russomano (PP), 10%, Fabio Feldmann (PV), 3%, e Ivan Valente (PSOL), 1%. Votos em branco ou nulos somam 10%, e os indecisos, 9%. Nesse cenário não haveria candidato do PSB.
O quadro eleitoral no Estado de São Paulo ainda está bastante indefinido. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva gostaria que Ciro Gomes (PSB) desistisse de concorrer à Presidência da República e saísse candidato no Estado por uma coalizão que incluiria o PT (Mercadante ou Suplicy, portanto, não concorreriam).
Ciro afirma que não desistirá de concorrer à Presidência, e uma ala de seu partido em São Paulo gostaria que o empresário Paulo Skaf, presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) saísse candidato pelo PSB.
Se Skaf entrar na disputa, quase nada mudaria para Alckmin ou para os demais líderes na corrida. As intenções de voto no tucano oscilariam de 53% para 52%. Mercadante e Russomano manteriam, respectivamente, 13% e 10%. Skaf possui, nesse cenário, 2%.
Se Ciro Gomes ficar de fora da disputa em São Paulo, o senador petista Eduardo Suplicy pretende concorrer com Mercadante pela vaga do partido. Segundo o Datafolha, Suplicy atrairia inclusive mais votos ao PT do que Mercadante.
Em cenário sem um candidato do PSB na disputa, Alckmin tem 49%, Suplicy aparece com 19% (ante os 13% de Mercadante) e Celso Russomano, com 10%. Praticamente não haveria mudança nas intenções de voto dos três líderes mesmo se Skaf disputar pelo PSB.
A pesquisa Datafolha foi realizada nos dias 25 e 26 de março e ouviu 2.001 eleitores no Estado de São Paulo. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.”

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:08

Datafolha anima o PMDB

De Renata Lo Prete, no Painel, da ‘Folha’:
Os líderes do partido não admitirão publicamente, mas, com a possível exceção de José Serra, ninguém está mais feliz do que o PMDB diante dos resultados do novo Datafolha sobre a eleição presidencial.
A pesquisa, que mostra a ampliação da vantagem do tucano sobre Dilma Rousseff, saiu do forno no exato momento em que, no Planalto e no PT, ganhava força o discurso segundo o qual, com a intenção de voto na ministra crescendo de vento em popa, talvez fosse possível não ceder tanto ao PMDB, especialmente na escolha do vice. Agora, a ideia de trocar Michel Temer por Henrique Meirelles deve voltar para a geladeira.
Um auxiliar de Lula tenta enxergar aspecto positivo na surpresa provocada pela pesquisa Datafolha: “Do lado de cá, já tinha gente montando o ministério”.
No PT, há quem se preocupe com o apoio manifestado por Aloizio Mercadante aos grevistas da Apeoesp. Segundo o raciocínio dos apreensivos, a tática serve para atazanar o presidenciável José Serra, mas poderá se revelar contraproducente no confronto local com Geraldo Alckmin (PSDB), cuja folgada liderança é confirmada pelo novo Datafolha.
Eduardo Suplicy já visitou Mercadante e hoje, munido do Datafolha no qual registra números mais vistosos que os do colega, será ouvido pela direção do PT-SP. Mas o que o senador quer mesmo, desconfiam petistas, é um encontro com Lula.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:05

Muito Suplicy para um só Senado

O jornalista Claudio Humberto que, no governo Collor, ficou conhecido como o bateu-levou, continua mau que nem um pica-pau.
Veja a nota que ele publica hoje, em sua coluna, no ‘Jornal do Commércio’, do Recife:
“Marta Suplicy ri à toa. Com a candidatura de Aloizio Mercadante (PT) ao governo, crescem suas chances no Senado. Seu entusiasmo só não é maior porque, se eleita, terá de conviver com o chato do ex-marido”.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 0:47

Suplicy é doido, mas não é maluco

 O senador Eduardo Suplicy é doido mas não rasga dinheiro.
Ele vestiu a sunga vermelha do ‘Super-Homem’ nas dependencias do Senado, mas com a repercussão negativa ele conseguiu que o programa ‘Pânico na TV’ não exibisse as imagens, pediu desculpas ao corregedor Romeu Tuma, e encerrou o caso.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 0:46

Um exagero editorial

Querer enquadrar o senador Eduardo Suplicy, no Código de Ética, por ele ter vestido uma sunga vermelha em cima do terno, nas dependências do Senado, é visivelmente um exagero do ?Globo?.
Suplicy, todos sabem, é meio descompensado.
Ele já levou brinquedos para a tribuna da Câmara, exibiu um cartão vermelho da tribuna do Senado, cantou em inglês no microfone de apartes, além de ter cometido outros disparates.
Usar a sunga em cima do terno, mesmo que fosse na rodoviária de Brasília, seria mais uma dessas palhaçadas que Suplicy faz inocentemente.
Mas Código de Ética não cabe.
Além do que, o senador paulista vestiu a sunga na quarta feira, e a reportagem só apareceu, com fotos e chamada na primeira página, na edição de hoje.
Ou foi incompetência editorial ou o jornal quer fazer campanha contra ele.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 0:18

Jornal do Senado é isento?

Santo de casa não faz milagre.
O cartão vermelho que o senador Eduardo Suplicy exibiu ontem contra o presidente do Senado, José Sarney, foi  destaque, na primeira página, nos principais jornais do país.
Já no jornal do Senado, o fato não mereceu nem uma única linha na capa.
Lá dentro, o discurso de Suplicy, e mais a contestação de Heráclito Fortes, teve o mesmo espaço que um breve pronunciamento do senador Almeida Lima, da tropa de choque de Renan/Sarney contra um aparte de Cristovam Buarque.
Qualquer dia vai ter discurso no plenário contra o jornal da Casa.

  • Segunda-feira, 12 Julho 2010 / 23:12

Pizza vai pro forno amanhã

 O senador Eduardo Suplicy não está entendendo nada.
Ele quis saber de Sarney, há pouco, a que horas o presidente do Senado fará o seu discurso amanhã.
Sugeriu também que Paulo Duque adie a reunião do Conselho para quinta-feira.
Sarney respondeu que, como fará um discurso na qualidade de senador, e não como presidente da Casa, ele não poderá anunciar a hora de antemão, “pois sou igual a todos os senhores”.
E nem Paulo Duque adiará reunião alguma.
O cenário já foi armado e o ‘script’ está pronto.
Duque absolve Sarney, e Sarney renuncia a presidencia.

  • Segunda-feira, 12 Julho 2010 / 22:22

Um sonho impossível

Lula está pedindo o impossível aos senadores de seu partido: o apoio incondicional ao presidente José Sarney.
O PT tem 12 senadores, sendo que nove deles disputarão a reeleição no próximo ano.
Um apoio aberto e descarado a Sarney, poderá significar derrota na certa nas urnas em 2010.
Apenas  três parlamentares tem mandato até 2015 mas, para azar de Lula, dois deles são Eduardo Suplicy e Tião Viana.
Resta o senador João Pedro, suplente do ministro Alfredo Nascimento, candidato ao governo do Amazonas.
Vai ser difícil conseguir a solidariedade da bancada.

  • Segunda-feira, 12 Julho 2010 / 21:48

Escondendo os salários

Os funcionários do Senado estão pressionando o senador Eduardo Suplicy, pelo projeto que obrigará a publicação, na internet, do nome, local de trabalho e salário dos servidores da Casa. Eles temem, segundo informa Ilimar Franco, no ‘Panorama Político’, a violência urbana.
Isso não tem o menor sentido, já que o projeto não prevê a publicação do endereço residencial e o telefone dos funcionários. Se os senadores tem salário e local de trabalho divulgados na internet, por que razão os funcionários ficariam de fora? No local de trabalho, imagina-se, a segurança do Senado os proteje. O problema então seria o salário?
Deve ser: se um motorista ganha R$ 12 mil mensais, imagina o diretor dos Motoristas e mais os seus 185 colegas diretores.

  • Quinta-feira, 20 Maio 2010 / 4:11

“Suplicante” a dobradinha de SP

Eduardo Suplicy será mesmo o vice de Aloísio Mercadante, candidato do PT ao governo de São Paulo.
De alma pura, Suplicy tentará barrar os críticos dos mensalões e aloprados.
E segundo Renata Lo Prete, da ‘Folha’, a dobradinho já ganhou apelido: “Suplicante”.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.