STF: os dois tem razão