• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 2:50

Lula não vai vetar emenda Ibsen

No dia 2 de setembro do ano passado, esse blog publicou a seguinte nota:
“Para que não reste dúvida: o governador Sergio Cabral não ganhou absolutamente nada no projeto dos royaltes do pré-sal.
Mesmo que a imprensa que o apóia noticie o contrário.
O relator poderá ser do PMDB, do PT, do PP, do PCdoB, do PRB, do P que ele desejar, que isso não terá nenhuma influência.
O plenário, tanto da Câmara quanto do Senado, irá defender os seus Estados. Esse é o normal, é o óbvio.  Afinal é lá que eles são votados, e não no Rio de Janeiro.
E Cabral será o grande derrotado.
Ele quis ganhar no grito, e agora terá de engolir em seco.
E, dessa vez, o ditado ?quem viver verá?, nem sem aplica.
Bastará viver mais 90 dias para ver.
É só esperar”.
    * * *
No dia 3 de novembro, o blog comentou uma reunião do governador Sergio Cabral com poucos parlamentares, e mais o governador Paulo Hartung. E disse que:
“Ao final do encontro, ele (Cabral) informou que pedirá ao Presidente Lula que mude o projeto.
Ou seja: não existe estratégia parlamentar. Existe uma tentativa de ganhar no tapetão.
E é óbvio que Lula não vai brigar com o PMDB, com a maioria do Congresso e mais com os 24 estados, para atender o Rio de Janeiro e o Espírito Santo.
José Serra, governador de São Paulo, um dos estados produtores, sentiu o ridículo que seria a reunião e pulou fora”.
     * * *
No dia 25 de novembro foi dito:
“Como esse blog diz desde o primeiro dia que começaram a discutir a partilha dos royaltes do pré-sal, o Rio de Janeiro não tinha, e não tem, a menor chance de conservar as parcelas do regime anterior.
Não existe a possibilidade de um parlamentar de outro estado  votar contra os interesses de seus eleitores. E isso vale para o todo e sempre, e não apenas porque estamos próximos as eleições de 2010.
O governador Sergio Cabral sabe disso e o que fez ontem, em Brasília, não passa de jogo de cena.
Aliás, cena típica de um teatro mambembe.
Como é destemperado e desastrado, disse Cabral:
- E ainda vem um grupo de parlamentares, por motivos diferentes, roubar o Rio de Janeiro. É perder absolutamente o respeito federativo, é abrir um precedente perigoso no Congresso Nacional.
A declaração em nada ajuda o Rio de Janeiro.  Quanto mais chamando de ladrão o líder de seu partido na Câmara.
Diz ainda Cabral:
- Peço a solidariedade dos governadores nordestinos em nome do povo nordestino que mora no Rio.
Os governadores nordestinos estão solidários com as suas regiões e não com os que migraram para o Rio de Janeiro.
Como Cabral prefere sempre um tapetão, diz ele:
- Vou procurar Lula.
E mais:
- Hoje são deputados da base do governo que estão assinando emendas. É um governador da base do governo que está fazendo proselitismo e demagogia com o estado alheio, querendo se notabilizar nacionalmente com prejuízo do povo do Rio.
Cabral se refere ao governador Eduardo Campos, de Pernambuco, líder dos governadores nordestinos.
Como recordar é viver, vamos aos fatos.  Eduardo Campos foi o convidado de honra de Cabral para assistir ao desfile das escolas de samba no domingo de Carnaval de 2007. E Campos recepcionou Cabral, no Recife, na Terça-Feira Gorda do mesmo ano.
E foi de Recife, com menos de 60 dias no governo, que o governador do Rio  decolou para São Bartolomeu – o paraíso dos milionários no Caribe.
A coisa mais fácil do planeta é Eduardo Campos saber o prefixo do jatinho e o nome dos ocupantes que acompanharam Cabral na farra de 2007″.
      * * *
Agora, às 12h12m, o Globo Online publicou a seguinte notícia, assinada pela repórter Eliane Oliveira, enviada especial de ‘O Globo’ a Amã, na Jordânia:
“Momentos antes de voltar para o Brasil, depois de uma viagem de cinco dias ao Oriente Médio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira que não vai se envolver na polêmica sobre os royalties, que provocou protestos e resultou em uma passeata com mais de 150 mil pessoas no dia anterior no Centro do Rio de Janeiro. Lula disse que já havia alertado a todos os líderes sobre o risco de haver problemas este ano, devido às eleições, e avisou que a questão terá de ser resolvida no Congresso Nacional.
“Já cumpri minha parte. Minha vontade era não votar os royalties este ano, pois sabia que era um ano político e que em ano de eleição todo mundo quer fazer gracinha. Disse que era para deixar para o ano que vem, pois tudo isso é para 2016. Não precisaria dessa pressa agora. Portanto, meus companheiros, a bola está nas mãos do Congresso Nacional e o Congresso que resolva o problema” – declarou.
Lula não quis dizer se faria o veto pedido pelo Rio e evitou fazer qualquer comentário a respeito. Ele disse que, se o que sair do Congresso for muito diferente da proposta do Executivo, vai se “debruçar em cima do que for aprovado”.
       * * *
O destempero, a incompetência, a falta de visão política, a arrogância e o bajulismo do governador Sergio Cabral estão afundando o Rio de Janeiro.

  • Quinta-feira, 21 Janeiro 2010 / 1:47

Gabeira tem filme contra Cabral

 Fernando Gabeira ainda não oficializou sua candidatura, mas já preparou um filmete sobre as viagens de Sergio Cabralao exterior.
Mas Gabeira foi suave com o governador.
Quando Cabral tinha 2 anos e quatro meses de governo, ?O Globo? fez uma reportagem, e calculou que, até aquela época, o governador já havia dado 28 voltas ao redor do mundo. Imagem hoje.
Além disso, Gabeira esqueceu que colocar, no seu roteiro,  a mais escabrosa das viagens de Cabral: a ilha de Saint Barth, no Caribe, paraíso de milionários para onde não existem vôos comerciais. Esse passeio ? quando o governador tinha menos de três meses de governo – custou, miseravelmente, mais de 250 mil dólares, e até hoje não se sabe quem custeou os  gastos.
Vejam o filme de Gabeira:

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.