• Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:50

PP quer apostar na neutralidade

Dos repórteres Christiane Samarco e Marcelo de Moraes, do ‘Estadão’:
“Além dos tropeços na campanha da pré-candidata Dilma Rousseff (PT), o governo federal deverá amargar a declaração de independência do PP na sucessão presidencial. Alvo do assédio da oposição, que deseja seu apoio para a candidatura do tucano José Serra, a Executiva do PP se reúne hoje para dar o primeiro passo oficial rumo à neutralidade.
A despeito de o PP integrar a base governista e comandar o poderoso Ministério das Cidades, seus dirigentes já avisaram que o partido só formalizará a decisão em junho e tende a dizer não para os dois candidatos. Isso facilitaria a montagem de suas alianças regionais, ora com o PT, ora com o PSDB.
Ontem mesmo, o governo já acusou o golpe. E reagiu. Os recursos federais para bancar as emendas dos parlamentares aliados começaram a ser pagos, numa tentativa de acalmar a base. A liberação da cota de R$ 3 milhões por parlamentar estava atrasada havia um mês.
“Não há o que fazer agora. A hora é de paciência, canja de galinha e sangue de barata”, diz o líder do PP na Câmara, João Pizzolatti (SC), que aposta na neutralidade do partido, mas adverte que o que move todas as legendas é a expectativa de poder.
“Não morremos de amor por ninguém. Vamos ver o que é melhor para o projeto do partido e isso vale nas parcerias estaduais e para a aliança nacional “, conclui o deputado Antônio Cruz (MS), que ontem discutiu a questão das coligações com o líder.
Frustração. Se for confirmada, a neutralidade frustrará os planos dos dois candidatos. Do lado de Dilma, o governo já dava como certa a coligação com o PP de Márcio Fortes, que comanda a pasta das Cidades, dona de um orçamento de R$ 15,2 bilhões para este ano, incluindo muitas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
Do lado da oposição, os tucanos vinham acenando com a vaga de vice na chapa de Serra para o presidente nacional do PP, senador Francisco Dornelles (RJ), de olho na fatia que o partido terá no horário de propaganda eleitoral gratuita. Sozinho, o PP deverá ter direito a 1 minuto e 20 segundos no tempo de TV destinado às candidaturas presidenciais.
Como a aliança em torno de Dilma reúne os dois maiores partidos do Congresso (PMDB e PT), além de outras legendas, sua campanha na televisão disporá de algo em torno de dez minutos em cada um dos dois blocos diários de propaganda em rede nacional. Sem o acordo com o PP, Serra terá cerca de sete minutos. Além disso, por Dornelles ser parente do ex-governador de Minas Aécio Neves, sua entrada na chapa ajudaria a colar mais a campanha de Serra no político mineiro.
“É claro que houve uma aproximação do PSDB. A oportunidade de termos o Dornelles na vice deixa o partido muito envaidecido, até porque, dessa forma, não entramos em uma aliança como coadjuvantes”, admite Pizzolatti, que participa da coordenação da campanha de Dilma.
Na prática, o PP caminhou para a solução da neutralidade pela diversidade de seus acordos regionais. Do lado de Dilma, estão, por exemplo, Márcio Fortes que participou domingo, no Rio, do lançamento da candidatura ao Senado do petista Lindberg Faria. Com Serra, já é possível contabilizar o diretório mineiro, que deverá ocupar a vaga de vice-governador na chapa tucana que terá como candidato o governador Antônio Anastasia.
Outros diretórios do PP que têm pesado contra o apoio explícito ao PT são os dos Estados do Sul. Ontem, foi aberta negociação em Santa Catarina, em busca de acordo unindo os palanques da senadora Ideli Salvatti (PT) e da deputada Ângela Amin (PP).

A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO DAS CIDADES

Minha Casa Minha Vida
Um dos principais programas lançados no ano passado, alcançou 408.674 contratações de moradias em um ano, o que representa um volume de investimentos de R$ 21,5 bilhões
PAC para a Copa
O PAC destinará cerca de R$ 7,78 bilhões para obras de mobilidade urbana que facilitem a realização da Copa de 2014
PAC Cidade Melhor
Incluído no PAC 2, terá investimentos de R$ 57,1 bilhões, tendo seus programas voltados para saneamento, prevenção em áreas de risco, mobilidade urbana e pavimentação de 2011 a 2014
Urbanização de Favelas
O PAC inclui R$ 8,7 bilhões para urbanização de favelas
Água e Luz Para Todos
Terá R$ 13 bilhões em obras de ampliação dos sistemas de abastecimento de água, com construção de adutoras, estações de tratamento, reservatórios, além de substituição de redes de distribuição e da modernização dos sistemas de medição
CBTU
O Ministério das Cidades controla a Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU), presidida por Elionaldo Magalhães, indicado para o cargo na cota do PP de Alagoas
Trensurb
O ministério controla também a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A., responsável pelo transporte de 44,4 milhões de passageiros em Porto Alegre e na região metropolitana
em 2009″.

  • Terça-feira, 13 Julho 2010 / 3:27

Coligação no Rio preocupa Serra

Da repórter Raquel Ulhôa, do ‘Valor Econômico’:
“Com a pré-candidatura de José Serra (PSDB) à Presidência formalizada no sábado, a coordenação da campanha já recebeu convites para que o ex-governador visite quase todos os Estados. Nas últimas 48 horas, foram mais de 20. É um alívio para o PSDB e seus aliados (DEM e PPS), que, por conta de resistências locais, enfrentaram dificuldades para que o próprio Serra, em 2002, e Geraldo Alckmin, em 2006, fossem recebidos nos Estados.
Desta vez, com Serra liderando as pesquisas de intenção de voto, o problema do tucano é administrar uma agenda que evite constrangimentos entre os aliados locais. Um dos Estados que mais preocupam é o Rio de Janeiro, onde a aliança entre PSDB, DEM, PPS e PV – em torno da candidatura do deputado Fernando Gabeira (PV) para governador – está ameaçada.
Enquanto buscam uma solução para a resistência de setores do PV à participação do ex-prefeito Cesar Maia (DEM) na chapa de Gabeira, como candidato ao Senado, os organizadores da campanha presidencial tucana decidiram adiar por pelo menos 15 dias o anúncio da coligação no Rio. Estava prevista uma grande reunião logo depois do lançamento da pré-candidatura de Serra, para anunciar as candidaturas no Estado.
“Nós adiamos qualquer decisão sobre o assunto para depois que tivermos uma maturidade que se conquista conversando, ouvindo, falando”, disse o ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ). Segundo ele, a coligação (PV, PSDB, DEM e PPS) será mantida e necessita apenas de “ajustes”. Para Fortes, o desafio do grupo que negocia a aliança é conversar muito e convencer o eleitorado a votar em Gabeira para governador e em Maia para senador. Enquanto a pacificação não se der, Serra não deve ir ao Estado.
Além de tentar evitar Estados em que os aliados estejam divididos, a coordenação da campanha pretende que Serra não participe de eventos de caráter político-partidário. “A ideia é interagir com setores da sociedade, andar com a população, com naturalidade, informalidade. Reunir com populares, também. Os eventos não podem ter o carimbo político-eleitoral”, definiu o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), coordenador-geral da campanha. O objetivo é fugir de encontros entre pessoas que já votam em Serra. Seria “contraproducente”, avaliou um aliado.
Ontem à noite, Guerra definiria a agenda inicial de viagens de Serra. Embora o ex-governador Aécio Neves (MG) tenha feito convite para que Serra inicie sua pré-campanha por Minas, em evento na próxima segunda-feira, os tucanos preferem não esperar tanto. Visitas a Goiás ou Paraíba nesta semana estavam sendo cogitadas. A coordenação da campanha também analisava convite para um evento em Santa Catarina, onde a histórica aliança entre PSDB, DEM e PMDB está, por enquanto, dividida em três palanques diferentes.
Restabelecer a coligação entre os três partidos é um dos desafios da coordenação da campanha de Serra. O Estado está sendo governador por Leonel Pavan (PSDB), que assumiu o cargo com a licença de Luiz Henrique (PMDB). Embora enfraquecido por denúncias de irregularidades, Pavan tem mantido disposição de disputar a reeleição. O PMDB realizou prévia e lançou a pré-candidatura de Eduardo Moreira. O DEM também está na disputa, com o senador Raimundo Colombo.
No Estado, ainda concorrem ao governo a senadora Ideli Salvatti (PT) e a ex-prefeita Ângela Amin (PP), por enquanto líder das pesquisas. Analistas políticos acreditam que essas candidaturas serão mantidas por mais dois meses, pelo menos, até que as pesquisas indiquem a posição de Serra e da petista Dilma Rousseff na corrida presidencial. O que estiver na frente poderá atrair tanto o PP quanto o PMDB.
Um Estado em que Serra está sem palanque e no qual o PSDB não quer se envolver em negociações de alianças, por enquanto, é o Distrito Federal. Um escândalo tirou do cargo o ex-governador José Roberto Arruda (ex-DEM) e comprometeu vários políticos locais. O PSDB teme que outros políticos sejam envolvidos e, por isso, prefere esperar que o quadro fique mais claro. O partido de Serra negocia com o PSC participação na aliança nacional, mas evita comprometer-se com a candidatura local do ex-governador Joaquim Roriz (PSC).
A cúpula tucana comemora a formação de palanques para Serra em quase todos os Estados. Deve ter candidato próprio em 15 (Acre, Alagoas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, São Paulo e Tocantins), apoiar candidatos do DEM em pelo menos três – Bahia, Rio Grande do Norte e Sergipe, com possibilidade de aliança em Santa Catarina -, do PMDB em Mato Grosso do Sul e Pernambuco, e do PSB em dois (Amazonas e Paraíba). No Ceará, Serra contará com o palanque do senador Tasso Jereissati (PSDB), candidato à reeleição. No Amazonas, onde se negocia aliança com o PSB, o mais importante para os tucanos é encontrar uma forma de neutralizar a imagem de Serra como adversário da Zona Franca de Manaus”.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.