Odorico Cabral e as plantas de plástico

    De Ruben Berta, de ‘O Globo’:
    “O gabinete do governador Sérgio Cabral e o salão VIP do Palácio Guanabara terão em breve novos itens de decoração. A Secretaria da Casa Civil publicou no Diário Oficial de ontem um aviso para um pregão eletrônico de compra de “plantas artificiais customizadas e cachepot (um tipo de vaso)” para serem
utilizados nos dois espaços da sede do governo estadual. O certame será realizado pela internet às 14h do dia 27 de setembro e, segundo o edital, o preço previsto é de R$ 10.094,81.
O texto do edital especifica as 14 plantas de plástico de oito tipos que serão colocadas no gabinete e no salão VIP. Há a previsão ainda de compra de 13 vasos, do tipo cachepot, de “vidro temperado transparente com 8 milímetros de espessura e acabamento de alumínio com pintura eletrostática com quatro rodízios de silicone”.
Serão cinco palmeiras artificiais, de três tipos: uma fênix e duas leque, ambas com 1,8 metro de altura; e duas identificadas como palmeiras especiais, de 2,5 metros. Todas elas, de acordo com o edital, deverão ter o tronco natural. As outras plantas foram listadas com os nomes científicos de lanças gr; papiros com 18 hastes; pandunus com três bifurcações; e bambusa com nove hastes.
A assessoria de Cabral informou, através de nota, que “a escolha das plantas ornamentais artificiais faz parte do projeto de decoração elaborado pelos arquitetos da Superintendência de Engenharia e Manutenção da Secretaria de Estado da Casa Civil”. Segundo o texto, “eles optaram por plantas artificiais, já que elas ficarão em ambientes fechados, refrigerados, de escritório. E, além disso, a manutenção deste material é mais fácil, não há necessidade de regar, adubar, e a durabilidade é maior”.
Também de acordo com a assessoria do governador, o valor estimado, de cerca de R$ 10 mil, pode cair: “uma pesquisa de mercado foi realizada pela equipe e sete empresas do ramo foram consultadas. A partir daí, foi feita uma média de preços, sendo que os valores julgados acima da média foram desconsiderados.
Vale ressaltar que, após o pregão, normalmente há uma queda de cerca de 30% no valor publicado no Diário Oficial”. 
                               * * *
O mais curioso é que, além das flores falsas, assim como seu ocupante, o palácio dispõe de uma área VIP.
Como ela deve funcionar?
Será que existem duas ante-salas para os que vão ter audiência com o governador?
Qual o critério para a utilização da área VIP?
Qual a diferença no tratamento?
Seria mais ou menos como a cabine de um avião, com classe econômica e executiva?
Na área comum serve-se água e café, e na VIP o visitante pode optar por água com ou sem gás, e café ou chá? Será que os VIPS ganham uns biscoitinhos?
Esse é o nosso Odorico carioca.
Só que aqui, ao contrário de Sucupira, o que não falta é defunto.
Talvez por isso, por usarmos tantas flores nos velórios, o Palácio seja obrigado a adquirir as de plástico.
O que se vai gastar nas plantas de plásticos, daria para comprar, diariamente, 1 dúzia de rosas durante 27 anos.
E isso pagando o preço das floricultura de porta de cemitério.