Bondinho: Cabral finge que não é com ele

       Do Globo Online: 
      “O governador Sérgio Cabral admitiu, na manhã desta quarta-feira, que os bondes de Santa Teresa estão sucateados, que não há controle na entrada do número de passageiros e que houve problema de gestão no transporte. Ele acrescentou que alguns veículos já foram reformados, mas outros ainda não.
Cabral comentou o assunto antes do evento de celebração pela doação que o empresário Eike Batista fez ao hospital Pro-Criança no canteiro de obras da unidade em Botafogo, na Zona Sul do Rio. Foi a primeira vez que ele falou
publicamente sobre a situação dos bondes, após o acidente que matou cinco pessoas e deixou 57 feridas no sábado.
- A verdade é que a frota do bondinho hoje é muito sucateada. E não há nenhum controle de passageiros – ressaltou Cabral.
“Pelo que fui informado nesta terça, as autoridades patrimoniais daqui resistem a isso” – afirmou o governador, ressaltando que é preciso aguardar a perícia para avaliar as razões do acidente.
Nesta terça-feira, Cabral nomeou o xerife das vans no estado como interventor dos bondes de Santa Teresa. De acordo com o governador, ele colocou o presidente do Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), Rogério Onofre,
à frente da instituição que gerencia o transporte para traçar um perfil de como estão as condições da administração. Onofre já foi alvo de uma série de ameaças por ter comandado a apreensão de cerca de 15 mil veículos clandestinos
nos últimos cinco anos.
Onofre informará os resultados de seu trabalho, que não tem prazo para acabar, diretamente ao governador. A área de bondes da Companhia Estadual de Engenharia de Transporte e Logística (Central) ficará subordinada à presidência do Detro, o que será confirmado num decreto de Cabral. O restante da companhia, que administra outros ramais ferroviários do Rio, continuará sob responsabilidade da Secretaria estadual de Transportes. O secretário, Júlio Lopes, não quis comentar a intervenção.
O transporte sobre trilhos é motivo de uma ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público estadual contra Onofre. Ele é acusado de causar dano ao erário ao comprar sem licitação uma locomotiva durante a sua gestão à frente da prefeitura de Paraíba do Sul – onde foi prefeito por dois mandatos (1997 a 2004). Onofre explicou que decidiu desapropriar e comprar a locomotiva porque não era possível abrir concorrência para a aquisição de um trem fabricado em 1910. A locomotiva foi usada para fazer o transporte de passageiros entre Paraíba do Sul e Paty do Alferes.
O presidente do Detro classificou como uma “missão difícil e árdua” a tarefa de reorganizar os bondes de Santa Teresa. Ele ressaltou a importância da intervenção num setor relevante para o turismo na cidade:
- O transporte por bondes é muito importante para o turismo do Rio e precisa ser tratado com seriedade. É um grande receptivo turístico de nível internacional.
Segundo Onofre, o governador pediu um amplo levantamento da situação de segurança e funcionamento dos bondes. O trabalho começa hoje, quando ele pretende se reunir, com a direção da Central Logística e com representantes da
Secretaria estadual de Transportes, para tomar ciência da situação.
- Prometo trabalho e luta para apresentar um diagnóstico da situação dos bondes. Vou fazer um trabalho em silêncio. Vamos trabalhar com parte da equipe do Detro e com pessoal cedido pelo gabinete civil. É uma operação de emergência, para a qual, por determinação do governador, posso requisitar funcionários de outras secretarias.
Enquanto durar a intervenção, o presidente do Detro acumulará funções. Depois do reordenamento dos bondes, ele informou que voltará a se dedicar exclusivamente ao Detro. Onofre tem 54 anos e está há cinco anos à frente do
Detro. Ex-prefeito de Paraíba do Sul pelo extinto PSB, mas hoje está sem partido, ele admitiu sua falta de experiência no transporte ferroviário:
- Quando entrei no Detro, não tinha experiência em transporte alternativo. Nunca tinha entrado numa van. Experiência se adquire com muita dedicação e trabalho em equipe.
Alvo de pelo menos um atentado, por conta de sua atuação na repressão às vans irregulares, o presidente do Detro disse que continuará despachando cada dia de um lugar diferente e que sua segurança pessoal será mantida:
- Eu sei que isso não é vida para ninguém, já sofri atentados. Eu tinha uma missão árdua e agora tenho duas. Vou trabalhar para que isso (o acidente) não volte a acontecer. Esta é minha principal missão.
O delegado titular da 7ª DP (Santa Teresa), Tarcísio Jansen, pediu ontem à Central informações sobre a manutenção dos bondes e a sua dotação orçamentária. Jansen quer saber se os recursos destinados pelo estado à empresa são
suficientes para a manutenção do sistema e se a verba tem sido recebida e aplicada de maneira correta. A estatal tem sete dias para responder. O delegado disse que também vai ouvir os responsáveis pela manutenção dos bondes.
Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) foram ontem até a oficina dos bondes, em Santa Teresa, recolher peças para análise. As principais são as sapatas do freio do veículo acidentado, localizadas próximo ao ponto onde foi encontrado um pedaço de arame no lugar de um parafuso. As sapatas já tinham levantado suspeitas do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea-RJ), que encontrou uma peça gasta. O Sindicato dos Ferroviários também informou que essas sapatas teriam sido trocadas dias antes da tragédia e que o material usado seria inadequado, não obedecendo a especificações técnicas”.
                            * * *
O tragédia com o bondinho de Santa Teresa, sábado passado, foi o terceiro acidente grave nos quase 140 anos do bondinho.
Todos eles ocorreram no governo Sergio Cabral.
E o almofadinha e fanfarrão-  como o chefe – Julio Lopes, continua secretário.
Isso só acontece mesmo no Rio de Janeiro.
Aqui sim é preciso uma faxina.