A hora do descanso

A Itália tem em torno de 20 milhões de aposentados. Um para cada trabalhador ativo.

Como foi – No Brasil nem tanto. Mas em outros países, é comum os aposentados irem morar no interior para fugir do alto custo de vida das cidades de grande porte. Constatei isto de perto em todas as vezes que fui, por exemplo, à
agradável e hospitaleira Gubbio, na região da Úmbria, na Itália. Chamou-me a atenção que nos fins de tarde dezenas deles reúnem-se nas pracinhas para curtir o passatempo predileto: jogar bocha. Dos 20 mil moradores de Gubbio, em torno da metade é de aposentados. Média muito parecida com a da própria Itália. Para cada contribuinte, existe um inativo. Essa foto, na verdade, não mostra somente os momentos de lazer do grupo de velhinhos italianos. Abre uma janela para observar a economia global. Um dos objetivos dos governantes é equilibrar a entrada de novas forças de trabalho no mercado produtivo com o envelhecimento da população. Em alguns países, constata-se a queda nas taxas de natalidade e o crescimento cada vez maior da expectativa de vida dos idosos.