Sarney diz o que quer

 O senador José Sarney não se emenda. Continua mentindo.
Leiam só essa nota assinada por Paulo Moreira Leite, diretor de redação da Época:
“Sarney errou de novo
Quem assistiu ao discurso de José Sarney na tribuna do senado recorda-se de uma cena: como se tivesse um troféu na mão, ele exibiu um DVD para o plenário e para as câmaras de TV.
Ali se encontrava, disse Sarney, a prova de que a mídia utiliza métodos condenáveis para procurar informações a seu respeito. Conforme Sarney, o DVD mostrava um repórter que, durante uma visita a um escritório de seu sócio,  roubou documentos que poderiam comprometê-lo ? e saiu correndo. O presidente do senado ainda disse que o jornalista havia ameaçado seu sócio, dizendo: ?Você é laranja do Sarney, confesse!?
Em busca da cena, digna de uma comédia, fui atrás do DVD. Assisti ao filme em seus 54 minutos de duração. Sozinho no meu quarto, telefones desligados.
Não há roubo, não há correria.
O DVD mostra um repórter, Andrei Meireles, da revista Época, entrevistando um socio do Sarney. Mostra o momento em que, para reforçar seus argumentos, o sócio entrega um pacote de documentos a Andrei. Os dois conversam, a entrevista prosseguem. A certa altura, o sócio diz que precisa ir ao dentista. Mais tarde,  levanta-se para ir embora. Coloca o paletó e ajeita o celular no bolso. Pega os documentos, à vista do sócio de Sarney e outros funcionários. Ninguém lhe diz para deixá-los ali.
Em companhia do socio de Sarney, Andrei se retira do escritório ? e do filme.
O DVD é um tiro no pé de Sarney”.