EBC, Franklin e Miguel Arraes

     A EBC está sendo acusada de contratar uma empresa de arquivos digitais onde trabalha o filho do ministro Franklin Martins. E daí? Qual o problema?
O contrato é legal?
A empresa efetivamente presta o serviço para o qual foi contratada?
Existe algum super-faturamento na contratação?
A EBC precisa, efetivamente, dos préstimos de uma empresa de arquivos digitais?
Essa é a questão.
                       * * *
Essa história me faz lembrar o querido Miguel Arraes, em Argel, em setembro de 1979, providenciando com a família a mudança para voltar ao Brasil.
A lenda dizia que o ex-governador de Pernambuco havia enriquecido, no exílio, graças a uma empresa de importação e exportação, com sede em Paris.
Perguntei a ele o que havia de verdade na história, e ele confirmou que a empresa realmente era um sucesso de empreendimento. E explicou:
- Mas ela não é minha. Pertence a um de meus filhos.
- Mas é claro que o senhor tem influencia sobre ela – retruquei.
- Nenhuma. Olhe só… Tenho outro filho que é funcionário da ONU, em Nova York. E minha influência junto as Nações Unidas é praticamente zero.