Dolce far niente

 A viagem que Sergio ?Wally? Cabral faz, nesse momento, terá uma duração bem maior do que todos imaginavam.
Antes, pensava-se que o governador ficaria fora apenas durante o feriadão.
Depois, constatou-se que, passado o final de semana,  ele também não estará no Rio na próxima segunda-feira, quando o incansável Pezão o substituitá em duas solenidades.
E também não aparecerá na terça, nem na quarta, nem na quinta, nem na sexta.
Sábado e domingo não conta, pois não é dia útil e, afinal, Cabral ? como filho de Deus ? também merece descanso.
Quarta e quinta feira próximas, haverá a reunião do COI em Lausanne, na Suiça, quando o Rio defenderá a sua candidatura. A apresentação será estritamente técnica.
Lula havia prometido a Carlos Nuzman, do COB, que compareceria ao encontro, mas decidiu não ir quando  descobriu que não teria nada o que fazer.
Cabral também não tem, já que as Olimpíadas de 2016 são da cidade do Rio de Janeiro e não do Estado.
Mas e daí?
Daí nada.
O encontro é boa desculpa para que o governador se ausente mais 11 dias de seu gabinete de trabalho.