A comunicação dos cubanos

Umas das críticas aos médicos cubanos é que eles não falam português. Mas eles estão hoje em 69 países da América Latina, da África, da Ásia e da Oceania, cuidando de pessoas que falam inglês, francês, português ou até mesmo dialetos locais, como é o caso do Haiti onde a população assistida fala creole.
Lá existem 1.200 médicos cubanos. Todos se entendem e eles trabalham de graça. Por pura solidariedade