Os últimos dias de Cabral

O PT do Rio se reúne hoje para abandonar a nau de Cabral.
O PDT já ensaia a retirada.
O deputado Miro Teixeira disse a Fernando Molica, de ‘O Dia’, que “muita gente não está contente com esta participação” no Governo.
Nos próximos dias, o governador começará a ser pressionado pelo seu próprio partido, o PMDB.
Sem ele, é possível manter um resquício de aliança.
Na última pesquisa, Cabral tinha apenas 12% de popularidade. Isso é um terço do que Collor tinha quando caiu.
Se fizerem a pesquisa hoje, ele somará apenas um dígito de bom e ótimo.
Jorge Picciani, como presidente do PMDB, sabe que precisa salvar o partido e não o mandato de Cabral.
E é isso que ele fará.