• Terça-feira, 22 Março 2011 / 9:59

Balanço de Obama

     Passadas 48 horas da visita de Obama ao Brasil, pode-se dizer que sua passagem por aqui beirou ao fracasso.
1. Do ponto de vista político, o país não recebeu o apoio que esperava para ter uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU. A declaração de Obama foi tímida, ao contrário do que ele fez  na India, em novembro do ano passado.
2. Do ponto de vista econômico, tudo continua como dantes. As barreiras economicas que tanto reclamou a Presidenta Dilma continuarão: ao etanol, ao suco de laranja, as exigencias sanitárias à importação de carne, etc. etc. etc.
3. Do ponto de vista ideológico foi um desastre. Não bastasse o fato de que a ordem para a invasão da Libia fosse dada em solo brasileiro, a questão cubana não foi citada. Por que não se fez  referencia ao deplorável embargo econômico contra a Ilha?
4. Do ponto de vista popular, principalmente da classe média - que Obama reconhece ser hoje a maioria do povo brasileiro - nada se falou sobre o fim da necessidade de vistos para viagens aos Estados Unidos.
                                                        * * *
No Rio, a vítima foi o próprio Presidente norte-americano, atarefado que estava com a invasão da Líbia.
1.  Ele não deu o tão sonhado mergulho na praia de Copacabana;
2.  O mau tempo não permitiu a visita ao Cristo durante o dia, quando a vista da cidade é deslumbrante;
3.  Obama não jantou fora do hotel, pratica constante em outras cidades que visita.
                 * * *
De positivo teve o cancelamento do discurso na Cinelândia. Ele seria um equívoco. Primeiro pelo inusitado do ato, de fazer um comício em praça pública; segundo pelo público que iria assisti-lo: um bando de cabos eleitorais do interior do Estado, que viriam ao Rio em troca do passeio de ônibus, de uma diária e de um lanche.
A assessoria fez bem em transferir a fala presidencial para o interior do Theatro Municipal, onde dois mil convidados se engravataram, em pleno domingo, para ouvir 14 minutos de discurso.
                  * * *
O melhor da visita a essas paragens foi o que estava programado e não ocorreu: a visita a uma UPP.
Não fazia sentido ocupar, por menor tempo que fosse, o homem mais poderoso do mundo em cumprimentos e fotos ao lado de soldados da PM na Cidade do Deus, onde o tráfico de drogas continua a todo vapor.
                  * * *
Obama é um sedutor.
A Paulo Skaf  ele disse que deveria ter ido a São Paulo.
Ao governador Jacques Wagner, Obama garantiu que da próxima vez irá a Bahia.
No Municipal referiu-se a Dilma Roussef como a “maravilhosa Presidenta”.
                   * * * 
De importante na viagem, ficará a declaração que Brasil e Estados Unidos devem ser “parceiros iguais”.
E tudo isso de olho nos quase 100 bilhões de dólares que movimentarão a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas do Rio, em 2016.

  • Terça-feira, 22 Março 2011 / 9:40

Reconhecimento de Ancelmo

     De Ancelmo Góis, do ‘Globo’:
“O que nós, jornalistas, diríamos se um presidente brasileiro viajasse ao exterior no meio de uma crise, levando os filhos, a mulher, a sogra e a comadre?
Melhor nem perguntar.

  • Terça-feira, 22 Março 2011 / 9:39

O exemplo de Dilma

     É bom não esquecer.
Dilma Rousseff é a única Chefe do Governo brasileiro que não visitou os Estados Unidos no intervalo entre sua eleição e posse.
Ou seja: Obama veio ao Brasil, antes que Dilma fosse aos Estados Unidos.

  • Terça-feira, 22 Março 2011 / 9:37

Governo paga sites de artistas

     A idéia de gastar dinheiro do governo na internet está virando moda.
Depois de Maria Betânia, que consumirá R$ 1,3 milhão do governo em seu site, agora chegou a vez dos herdeiros de Simonal.
Vejam o que diz Monica Bergamo, na ‘Folha’:
“Um site para Wilson Simonal (1938-2000): discos, filmes, vídeos e fotos do cantor ficarão armazenados em uma página que poderá contar com a colaboração dos internautas em textos e fotos. O projeto, chamado “Todo Simonal”, é da produtora S de Samba, que tem entre os sócios Wilson Simoninha e Max de Castro, filhos do cantor, e de Ricardo Alexandre, autor do livro “Nem Vem que Não Tem”. O Ministério da Cultura aprovou a captação de recursos via Lei Rouanet no valor de R$ 343.188″.

  • Terça-feira, 22 Março 2011 / 9:32

22/3/2011

“Provavelmente agora que o presidente Obama fez rasgados elogios ao Brasil, à sua ascenção e importância no mundo, alguns que passaram dez anos criticando, passem agora a falar bem. É extraordinário e hilariante. Foram oito anos. Sabem como pegamos e como deixamos o país. Alguns adversários tentaram vender que nós éramos a continuidade. Agora que elegemos alguém para fazer a continuidade, dizem que agora ela é diferente. É o mínimo hilariante”.

Do ex-presidente Lula, em São Paulo.

  • Domingo, 20 Março 2011 / 11:02

A despedida de Obama

    Obama foi ao Palácio da Alvorada despedir-se de Dilma, acompanhado de Michelle e das filhas Sasha e Malia. Lá estava também o Chanceler Antonio Patriota
A foto é de Pete Souza, o fotógrafo oficial da Casa Branca.

  • Sábado, 19 Março 2011 / 14:19

Eu quero ver o Tio Sam tocar…

      Comemora-se hoje o centenário de nascimento do compositor Assis Valente, autor de ‘Brasil Pandeiro’, onde ele diz que “chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor…”
Portanto, nada mais atual do que uma saudação de Assis Valente a Obama, via João Gilberto.

  • Sexta-feira, 18 Março 2011 / 11:26

No mundo da Lua

     Do blog do ex-prefeito Cesar Maia:
“Em 19 de março poderemos acompanhar a maior Lua Cheia dos últimos 20 anos. Lua Cheia a 28º de Virgem. A lua cheia estará maior, porque se encontrará no ponto da órbita da Lua em torno da Terra, mais próximo a Terra (perigeu lunar). Este ponto em astrologia é conhecido como Priapo, assim como seu ponto oporto (apogeu lunar) como Lilith, se observar nas efemérides poderá constatar que Lilith esta em conjunção com o Sol. A lua estará a uma distância de 221,567 milhas da sua órbita em torno da Terra.  
A partir de hoje, comece a acompanhar o nascer da Lua, é o melhor momento para ver sua beleza. Poderá acompanhar no céu o Sol se pondo e a Lua nascendo, compare os tamanhos e se delicie com o visual.      
Astrologicamente esta Lua pode selar, para quem estiver ligado, uma oportunidade particular para a pessoa entrar em contato com suas verdades e inaugurar um novo ano astrológico a altura do momento histórico especial que vive o planeta e cada um de nós. No dia 20, o Sol entra em Áries as 20h22.

  • Sexta-feira, 18 Março 2011 / 11:23

Garotinho cerca a CBF

      Os jornais pouco estão noticiando.
Mas o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, está literalmente apavorado com a possibilidade de criação de uma CPI, na Câmara dos Deputados, que investigaria a sua entidade.
As assinaturas estão sendo recolhidas pelo deputado Anthony Garotinho.
Entre os 117 deputados que já assinaram (são necessárias 171 assinaturas) está o jogador Romário.

  • Sexta-feira, 18 Março 2011 / 11:18

As duas faces da ONU

                                                                          José Dirceu*

      Como esperado – e, infelizmente, numa repetição da história – tivemos a decisão da Organização das Nações Unidas (ONU), de intervir na Líbia, declarando a zona de exclusão aérea no país. A mesma ONU silencia ante a invasão do Bahrein por tropas da Arábia Saudita, Estados UNidos e Qatar.
Sim, porque ninguém tem dúvidas de que esta invasão se fez, na verdade, com autorização e direção de Washington, ainda que, cinicamente, o Departamento de Estado diga que não sabia previamente, não a coordenou e nem a aconselhou.
Balela, a entrada dos tanques, tropas e de todo o aparato militar que ocupou o Bahrein é uma forma disfarçada – que não engana ninguém – de intervenção norte-americana.
Não se está aqui defendendo o regime do presidente Muamar Kaddhafi, ou esta ou aquela decisão que provocou a guerra civil que se alastrou na Líbia. Mas, o fato é que este grave conflito eclodiu com o apoio aberto e direto, em armas e assessores, das potências ocidentais aos rebeldes.
As mesmas que, ao mesmo tempo,  abandonam à própria sorte, a seu próprio destino, a oposição às ditaduras nos outros países árabes e do Oriente Médio.
No Bahrein, a repressão do regime monárquico sunita – etnia que constitui apenas 30% da população do emirado, enquanto os outros 70% são da etnia xiita – contra a população rebelada, ampliada por esta invasão da Arábia Saudita, EUA e Qatar é, proporcionalmente, tão ou mais violenta do que a desencadeada pela ditadura Kaddhafi na Líbia.
Mas, no Bahrein, a oposição que ocupou ruas e praças só tem um muro de silêncio. Não recebe nem apoio nem declarações formais da ONU ou das potências ocidentais contra a dinastia sunita absolutista que governa o emirado há dois séculos.
Pelo contrário, chama a atenção o oportunismo – para uso interno – do presidente da França, Nicolas Sarkozy, no caso líbio. O mandatário francês arvora-se em líder do ataque a Líbia com os olhos nas futuras eleições francesas.
Ou o oportunismo da Itália, do cambaleante e processado 1º ministro Sílvio Berlusconi, que, a pretexto de que os dois países separados pelo Mediterrâneo, ficam próximos geograficamente, colocou as bases aéreas do país à disposição dos que se dispõem a intervir na Líbia
*José Dirceu, ex-deputado, foi ministro-chefe da Casa Civil no Governo Lula.

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.